domingo, 16 de abril de 2017

Cacau: governo da Bahia investe na agricultura familiar

Governo da Bahia investe na agricultura familiar e fortalece cadeia produtiva do Cacau 

A fabricação e o consumo do chocolate aumentam com a chegada da Páscoa, mas para que esse produto tenha qualidade e seja saboroso a amêndoa do cacau, matéria-prima responsável pelas delícias deste período precisa ser bem selecionada. A Bahia é o estado que mais produz cacau e a agricultura familiar é responsável por 90% dessa produção. 

Atento a esse potencial, o Governo da Bahia vem investindo na cadeia produtiva do cacau. Por meio da Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR), estão sendo destinados R$10 milhões, com recursos do edital de fruticultura do projeto Bahia Produtiva, executado pela Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR/SDR). Os investimentos irão contemplar projetos voltados para o fortalecimento da cacauicultura nos Territórios de Identidade Médio Rio de Contas, Litoral Sul e Baixo Sul.
“É muito importante esse investimento do governo para que a gente que produz cacau consiga se desenvolver e ter mais acesso ao mercado”, afirma o agricultor do Assentamento Coroa Verde, comunidade rural de Ipiaú, Território Médio Rio de Contas, João Santos.
Chocolate de qualidade
Na Bahia, a fabricação do chocolate tem origem nas plantações de mais de 40 mil agricultores familiares, que se dedicam à cultura do cacau. O Governo do Estado vem apoiando a produção de mais de 30 marcas de chocolates produzidos pela agricultura familiar. O segmento vem demonstrando todo seu potencial na fabricação de produtos de qualidade, a exemplo da fabricação dos chocolates finos produzidos pela Bahia Cacau, primeira fábrica da agricultura familiar do país, localizada no município de Ibicaraí, no território Litoral Sul. As formulações desses chocolates são de 56 a 90% de cacau.
O chocolate produzido pelo Assentamento Terra Vista, no município de Arataca, também no Litoral Sul, vem ganhando mercado. “O nosso chocolate gourmet Terra Vista, em embalagens com 60% e 70% de teor de cacau, já é comercializado em várias partes do Brasil”, comemora Joelson de Oliveira, integrante da coordenação da Teia dos Povos e um dos líderes do assentamento Terra Vista.
A produção de chocolates finos produzidos pela agricultura familiar avança para outros territórios.  A Associação de Mulheres das Duas Barras do Fojo, do município de Mutuípe, no Território Vale do Jiquiriçá, está lançando a linha de chocolates Ouro do Vale. A  agricultora Damiana Martins,  associada e membro do Conselho Fiscal da instituição,  ressalta a importância do apoio do governo estadual, principalmente, na oferta de assistência técnica. “Além da embalagem, que agrega valor ao produto, os cuidados com a seleção da amêndoa, a fermentação e a planta, fazem toda diferença no resultado final”.
A SDR investe ainda na divulgação dos chocolates em ambientes de comercialização e divulgação, a exemplo da participação dos empreendimentos em festivais em nível estadual, nacional e internacional, como o Salon du Chocolat de Paris, na França.
Mais investimentos
Também foram investidos de R$12 milhões na Biofábrica do Cacau, instalada no município de Ilhéus, para o cultivo de mudas de frutíferas e essências florestais, que estão sendo distribuídas para agricultores familiares, cooperativas e associações.  Nos últimos dois anos, a Biofábrica distribuiu quatro milhões de mudas de cacau. Um material com boa procedência genética, que contribui positivamente na qualidade produtiva do agricultor familiar.  “Temos um potencial de influenciar positivamente na base produtiva, com mudas de excelente qualidade e genética de ponta que chegam para agricultores familiares", destaca o diretor geral do Instituto Biofábrica de Cacau, Lanns Almeida.

Por - Daniel Thame

Nenhum comentário: