DIGNIDADE

De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto. Rui Barbosa


FEIJOADA DO ALBERGUE BEZERRA DE MENEZES NA AABB, DIA 19 DE NOVEMBRO AO MEIO DIA. VALOR R$25,00 ADQUIRA O SEU BILHETE E CONTRIBUA COM QUEM PRECISA. TELEFONES (73) 3215-1511 E 9-8889-0991 E FAÇA UMA BOA AÇÃO!

terça-feira, 19 de julho de 2016

Cuba não paga pelo Porto de Mariel

Charge do Alpino, reprodução do Yahoo
André de SouzaO Globo
País que mais destina profissionais ao programa Mais Médicos, Cuba está pleiteando um reajuste dos valores pagos pelo governo brasileiro. Atualmente, um médico recebe R$ 10.513 por mês para atuar no programa. No caso dos cubanos, o governo da ilha embolsa a maior parte do dinheiro, o que representa uma importante fonte de receita. Porém, segundo o Ministério da Saúde brasileiro, não há definição ainda sobre aumento nos repasses para Cuba.

Na semana passada, a vice-ministra de Saúde Pública de Cuba, Marcia Cobas Ruiz, esteve em Brasília para tratar do tema. Ele se encontrou com representantes do Ministério da Saúde do Brasil; da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), que faz a intermediação entre os governos dos dois países; do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems); e do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), que congrega as secretarias estaduais.
GRUPO DE TRABALHO – Segundo o Conasems, o secretário-executivo do Ministério da Saúde, Antônio Nardi, disse que reajustes precisarão ser analisados em função do orçamento da pasta. De acordo com o presidente do Conselho, Mauro Junqueira, secretário de Saúde de São Lourenço (MG), foi criado um grupo de trabalho para tratar da questão do reajuste.
De acordo com o Conasems, a vice-ministra cubana reiterou a intenção de continuar com a cooperação com o Brasil, mas fez reivindicações. Entre elas, o reajuste dos valores pagos por profissional, em especial aqueles que trabalham em áreas isoladas e de maior risco.
O Mais Médicos foi lançado em julho de 2013, pagando R$ 10 mil por cada médico. Desde então, houve pequenos reajustes, chegando-se aos atuais R$ 10.513. No começo, o programa sofreu boicote de parte da classe médica brasileira. Assim, predominaram os profissionais estrangeiros, principalmente cubanos. Nos editais mais recentes, aumentou o interesse dos brasileiros, mas os médicos de Cuba ainda são maioria. Os últimos números do Ministério da Saúde indicam que eles são 11.400, de um total de 18.240 profissionais
###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
 – O fato é que o Brasil ajuda a sustentar Cuba com o dinheiro do Mais Médicos, que poderia ser um programa executado por médicos brasileiros, com os recursos bilionários circulando na economia brasileira.Desde 2013, o governo repassou mais de R$ 4.53 bilhões para Cuba, segundo levantamento do Sindicato dos Médicos de Santa Catarina. Os médicos cubanos recebem o equivalente a US$ 1.245, repassados pela Organização Pan-Americana da Saúde, entidade que “legaliza” esse pagamento, recebendo pelo serviço 5% dos valores, a título de “despesas administrativas”. Descontados os quase R$ 226,5 milhões da Opas, o Brasil pagou indiretamente para a ditadura dos irmãos Castro mais de R$ 4,53 bilhões em 20 meses – entre julho de 2013 e março de 2016 – dos quais R$ 3 bilhões ficaram em Havana como lucro líquido. Ao mesmo tempo, Cuba precisa pagar ao Brasil (BNDES) pela construção do Porto de Mariel, mas não tem dinheiro. E agora, Temer? (C.N.)

Nenhum comentário: