Lixo

Itabunense seja educado não jogue lixo na rua e nem no Rio Cachoeira. A Natureza agradece!

quarta-feira, 27 de junho de 2018

Defesa Civil detecta mais de 40 áreas de risco em Itabuna e busca recursos para a recuperação



Pelo menos 47 áreas de risco de deslizamento de terra ou alagamento foram detectadas pela Defesa Civil (DC) de Itabuna, após levantamento realizado por técnicos do setor em parceria com a Defesa Civil do Estado, que enviou a técnica  Caroline Martins, para auxiliar no trabalho. O problema se agravou ainda mais nos últimos dias em função das fortes chuvas que caíram no município, ao ponto de o prefeito Fernando Gomes decretar situação de emergência, na quarta-feira da semana passada. 

O técnico Carlos Alberto Silva Santos, da DC de Itabuna, informou que entre os bairros de maior risco cujas moradias são construídas próximas a encostas e morros estão a travessa Mercedes, na Califórnia, Daniel Gomes, Maria Pinheiro, Pedro Jerônimo, Santa Inês e Monte Cristo. As áreas ribeirinhas, como Bananeira, Nova Itabuna e Maria Matos (Rua de Palha) também são bairros que enfrentam situações críticas no período chuvoso e que vem sendo monitorados permanentemente, segundo o técnico.


Ele diz que esse trabalho é importante para garantir segurança às famílias que vivem nessas áreas, por meio de orientação e alerta para os riscos que elas correm. “O prefeito Fernando Gomes demonstra preocupação em melhorar a situação dessas comunidades e por isso solicitou o apoio do estado a fim de conseguir recursos para a recuperação das áreas atingidas”, disse Carlos Alberto, adiantando que pelo menos 100 famílias precisam de ajuda do poder público.

  Segundo ele, serviços de saneamento básico e de infraestrutura são mais do que necessários, “mais também são obras complexas, que exigem alto custo e o município não tem condições de assumir sozinho tamanho compromisso, por isso precisamos do suporte dos governos estadual e federal”, destacou.

Carlos Alberto lembra que ninguém está imune a catástrofes como enchentes, inundações e outros desastres naturais, “mas o poder público e a sociedade podem contribuir de alguma forma, seja com a adoção de medidas simples de segurança,  como orientação e apoio às famílias que moram em locais que oferecem risco, afinal, defesa civil somos todos nós”. 

Coordenada pelo engenheiro civil Yuri Bandeira, a Defesa Civil conta com cinco técnicos e o apoio das secretarias municipais de Assistência Social, Desenvolvimento Urbano e de Governo no atendimento imediato às famílias que moram nas áreas de risco. Mas a proposta é implantar um núcleo de educação permanente para orientar as famílias que vivem nessas comunidades, conforme adiantou o técnico da Defesa Civil de Itabuna.  Ascom

Nenhum comentário: