Vamos salvar o Rio Cachoeira! É o nosso maior patrimônio natural. Não jogue lixo em seu leito.

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

DIALOGO DRAMÁTICO DO ACIDENTE DA CHAPECOENSE


Piloto revela diálogo dramático de voo da Chapecoense com a torre de Medellín






Comandante de  avião da Avianca narra conversa da tripulação da Lamia com torre de controle sobre pane elétrica e falta de combustível. (Foto: Reprodução/Twitter).
Comandante de avião da Avianca narra conversa da tripulação da Lamia com torre de controle sobre pane elétrica e falta de combustível. (Foto: Reprodução/Twitter).

Um piloto de um avião que viajava próximo ao voo da Chapecoense relatou ter ouvido a conversa entre a tripulação da aeronave acidentada e a torre de controle do aeroporto de Medellín. Segundo a imprensa colombiana – “Rádio Caracol” e o site “El Espectador”, o funcionário da Aviaca narrou o diálogo.

Inicialmente, segundo o piloto, a tripulação do voo da Lamia pediu prioridade de pouso do Aeroporto Rio Negro por conta de problemas de combustível.
– Solicitamos prioridade para proceder, solicitamos prioridade para proceder ao localizador, temos problemas de combustível – teria dito o piloto da Lamia.
A controladora do aeroporto teria negado a permissão por conta de outro voo da VivaColômbia. Foi então que o comandante do voo da Chapecoense decretou emergência. Nas redes sociais, Maysa Brito, de férias na Colômbia, relatou que seu avião também teve problemas na Colômbia.
– Temos um problema. Temos um avião aterrissando de emergência. Não pode proceder – respondeu a controladora.
Enquanto a controladora, segundo o piloto da Avinca, indicou que seu voo pousasse na pista 1, a tripulação do voo da Chapecoense confirmou a pane elétrica e decretou situação de emergência
– Agora temos uma falha elétrica, temos uma total falha elétrica.
Posteriormente a torre de controle perdeu o contato com o avião. 71 pessoas morreram no voo que levava a Chapecoense para o primeiro jogo da decisão da Copa Sul-Americana, nesta quarta-feira, contra o Atlético Nacional, em Medellín. 6 sobreviveram.

Nenhum comentário: