Vamos salvar o Rio Cachoeira! É o nosso maior patrimônio. Não jogue lixo em seu leito. Povo limpo, cidade civilizada... Vamos preservar a nossa história.

domingo, 20 de março de 2016

Roger Agnelli morre em acidente aéreo

Da - Revista Veja - O ex-presidente da Vale, Roger Agnelli, morreu neste sábado quando o avião em que estava caiu perto do Campo de Marte, em São Paulo.
Também morreram na tragédia sua mulher, dois filhos, uma nora e um genro, filho da jornalista Angela Bittencourt, do Valor.Roger AGnelli
O avião caiu sobre o número 110 da rua Frei Machado, a cerca de 200 metros do Campo de Marte. Era um monomotor experimental registrado em nome do executivo, mais conhecido no mercado como Roger.
Publicidade
Funcionário de carreira do Bradesco entre 1981 e 2000, Roger foi presidente da Vale entre 2001 e 2011, durante um dos raros superciclos de commodities da história. Em sua gestão, viu o minério de ferro sair de 20 dólares/tonelada para 190 dólares/tonelada. Saiu da empresa depois de um desgaste em seu relacionamento com o Palácio do Planalto, causado, principalmente, por ter feito demissões na mineradora em 2008, em meio à crise global.

Um de seus maiores feitos na Vale foi a compra da canadense Inco em outubro de 2006, então a maior aquisição de uma empresa brasileira no exterior e uma das maiores no setor de mineração em todo o mundo. Seu investimento mais controverso foi a compra da licença para explorar Simandou — uma mina na Guiné com teor de ferro parecido com Carajás. A Vale se comprometeu a investir 2,5 bilhões de dólares em Simandou em associação com o empresário israelense Benny Steinmetz: 500 milhões de dólares à vista e o resto em parcelas. Quando o presidente da Guiné mudou, o desenvolvimento da mina enfrentou obstáculos, forçando a Vale a provisionar todo o investimento.
Roger era presidente do conselho da Bradespar quando foi convocado pelo Bradesco para ser presidir o conselho da Vale, em substituição a Benjamin Steinbruch. Quase um ano depois, passou a ser o CEO da empresa, substituindo o Embaixador Jório Dauster. Era conhecido por sua personalidade forte e encarnou o arquétipo do ‘superexecutivo': um CEO poderoso, que frequentemente atropelava o conselho pela força dos resultados que estava conseguindo na empresa — e um pacote de remuneração correspondente.
Em 2005, sua decisão de pedir um aumento de 90% no preço do minério mudou para sempre uma indústria até então marcada pelas relações fraternais entre fornecedores e compradores. A Vale conseguiu 71,5% de aumento, capturando para as mineradoras uma parte da bonança do crescimento chinês de dois dígitos.
Roger também teve uma relação próxima com o então Presidente Lula, a convite de quem integrou o Conselho de Desenvolvimento Econômico ligado à Presidência.  Mas com o passar dos anos, as tentativas do Planalto de intervir em decisões estratégicas da Vale minaram a relação.
Roger também foi conselheiro da CPFL, da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) e da Petrobras.  Fora do País, foi do conselho da suíça ABB e integrou um conselho consultivo, formado por executivos e empresários, que aconselhava o então-presidente da África do Sul, Thabo Mbeki.
Quando saiu da Vale, Roger fundou a AGN Participações, uma companhia de investimento focada em mineração e petróleo.
Roger faria 57 anos em 3 de maio

Nenhum comentário: