Vamos salvar o Rio Cachoeira! É o nosso maior patrimônio. Não jogue lixo em seu leito. Povo limpo, cidade civilizada... Vamos preservar a nossa história.

sábado, 14 de fevereiro de 2015

ACM Neto vai _a Barra e ao Curuzu acompanhar a saída do Ilê Aiyê

ACM Neto
ACM Neto
Neste sábado de Carnaval, o prefeito ACM Neto participa de dois eventos: às 17h30, na Barra, para acompanhar o desfile dos blocos, e às 20h, no Curuzu, onde participa da saída do Ilê Aiyê. Na Barra, ACM Neto estará à disposição da imprensa no camarote da Prefeitura, que fica na esquina do Beco da Off (ao lado da antiga boate Off Club).

Do - jornaldamidia.com.br

O BANCO-LAVANDERIA HSBC E OS CLIENTES BRASILEIROS



Vladimir SafatleFolha
Quando você sai de um avião e entra no “finger” de quase todos os aeroporto do mundo, normalmente a primeira coisa que vê são frases edificantes sobre as oportunidades do futuro, a sinergia produzida pelos criativos e empreendedores, a necessidade de estar preparado para novos desafios e toda essas frases feitas vindas de manual de autoajuda de administradores de empresas à procura de uma “recolocação”. As frases são uma contribuição desinteressada das campanhas publicitárias do banco HSBC para um mundo melhor.
Bem, enquanto um dos maiores bancos do mundo gastava uma pequena fortuna para criar a imagem de uma corporação preocupada com algo mais do que seus próprios interesses, sua filial suíça ajudava toda a escória do rentismo mundial a burlar impostos, operar fraudes fiscais por meio da abertura de empresas “offshores”, lavar dinheiro de tráfico de armas e drogas e de desvios de verbas públicas feitos por ditadores, déspotas e seus asseclas, além de outras formas singelas de crimes.
Só entre 9 de novembro de 2006 e 31 de março de 2007, 180,6 bilhões de euros circularam por cem clientes de sua filial em Genebra e por 20 empresas offshore.

SÓ NA SUÍÇA, ENVOLVIDOS NA CORRUPÇÃO TINHAM R$ 111 MILHÕES



Deu na Folha
Pelo menos 11 pessoas ligadas com o escândalo de corrupção na Petrobras investigado na Operação Lava Jato mantiveram contas ilegais na Suíça entre 2006 e 2007, com saldo total de R$ 110,5 milhões. A informação foi revelada na sexta-feira (13) pelo blog do jornalista Fernando Rodrigues.
A informação faz parte do chamado Swissleaks, um vazamento sobre contas secretas no país europeu mantidas pelo banco HSBC, divulgado por meio de uma associação internacional de jornalistas.

Se os petistas querem investigar o PSDB na Petrobras, deveriam começar pelo "tucano" Delcídio Amaral.

SÁBADO, 14 DE FEVEREIRO DE 2015

O ex-gerente de serviços da Petrobras, Pedro Barusco, informou a Polícia Federal, em delação premiada, que começou a cobrar propinas de fornecedores da Petrobras em 1997 ou 1998. Deixou claro que era uma atitude de funcionário corrupto, extorquindo empresas, não citando políticos envolvidos. 

Foi o que bastou para que a máquina de assassinar reputações do PT tentasse envolver o PSDB no esquema de corrupção que o partido do Petrolão montou na estatal, destruindo o seu patrimônio e tornando-a a empresa mais endividada do mundo. Agora quer ampliar a CPI da Petrobras para os "anos FHC" para jogar uma cortina de fumaça sobre as investigações, como já fez nas duas CPIs anteriores, realizadas em 2014.

LUIS CALDAS COMANDO OS FESTEJOS DOS 30 ANOS DO AXÉ NO CARNAVAL DE SLVQADOR

Axé, o ritmo que inovou o carnaval baiano completa 30 anos

O axé music surgiu  com a música Fricote, de Luiz Caldas e Paulinho Camafeu, em 1985.
O axé music surgiu com a música Fricote, de Luiz Caldas e Paulinho Camafeu, em 1985.
DANYELE SOARES
A axé music chegou aos 30 anos. O gênero, que marca o carnaval baiano e leva milhões de foliões à loucura, teve início com a música Fricote, de Luiz Caldas e Paulinho Camafeu, em 1985. De lá para cá, o ritmoganhou novos contornos a partir da mistura com outros gêneros como o sertanejo, o samba e o pagode. O movimento de aproximação com diferentes fontes musicais também gerou críticas sobre uma possível crise do axé.

Para o coordenador do curso de graduação em música popular da Universidade Federal da Bahia (UFBA), Ivan Bastos, entretanto, isso é um movimento natural.

Claudia Leite deixa calcinha aparecer ao puxar o Cocobambu

Claudia Leitte: calcinha aparecendo e meia calça rasgada.
Claudia Leitte: calcinha aparecendo e meia calça rasgada.
Nem a calcinha que Claudia Leitte usava por debaixo do body curtinho passou despercebido no segundo dia de carnaval em Salvador. A cantora, que deu início a sua maratona da folia nesta sexta-feira (13) puxando o bloco Cocobambu, no Circuito Barra-Ondina, foi fotografada com a calcinha para fora dobaby. E mais: como se não bastasse sua meia calça estava rasgada.

Além de Salvador, Claudia se arrisca em outros carnavais este ano. Ela será rainha de bateria da Mocidade, no Rio de Janeiro. A cantora ainda vai se apresentar no sábado (14), em Santa Rita do Sapucaí, em Minas, e chega ao Rio de Janeiro no domingo (15). Nos dias 16 e 17, ela puxa o bloco Largadinho, em Salvador. Para encerrar, Claudia vai para Porto Seguro, na Bahia, se apresentar no Carnaporto.

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

Afundada na lama, agora Dilma quer legislar contra a corrupção. É muito cinismo.

SEXTA-FEIRA, 13 DE FEVEREIRO DE 2015

Dilma Rousseff e o PT perderam o último pingo de vergonha que tinham na cara. É de um cinismo deslavado a proposta de nova legislação para combater a corrupção, que a presidente pretende enviar ao Congresso para tentar mudar a avaliação de mais de metade dos brasileiros de que ela é desonesta, mentirosa e conivente com a corrupção.

Tudo que Dilma pretende corrigir ela ou seu partido cometeram nos últimos anos. É achar que os brasileiros são completos idiotas. Que continuam cegos diante de tantas mentiras.A última pesquisa Datafolha mostrou que a ficha caiu e que apenas os pobres diabos explorados eleitoralmente pelos programas sociais ainda sustentam este governo podre.

AUGUSTO CASTRO PEDE RECURSOS PARA O SETOR DE SAÚDE DE ITABUNA

Deputado ​​
Augusto Castro pede ao secretário estadual de Saúde solução para crise do setor em Itabuna

 A crise da Saúde em Itabuna foi um dos temas do encontro do deputado estadual Augusto Castro com o secretário de Saúde do Estado, Fábio Vilas-Boas, na tarde de hoje (12/02). Membro da Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa da Bahia (ALBA), o parlamentar solicitou providências para evitar o fechamento do Hospital São Lucas, mantido pela Santa Casa da Misericórdia, e da Casa de Saúde São Judas Tadeu (hospital psiquiátrico), e revisão dos recursos repassados para o Hospital de Base, que tem sido insuficientes para que o HBLEM prossiga no atendimento a pacientes de pelo menos 120 municípios do Sul da Bahia.

Carnaval Cultural de Ilhéus 2015 começa neste sábado

Festa vai até a terça-feira, 17, e reúne grandes atrações, artistas locais e programação diversa.
 O Carnaval Cultural de Ilhéus 2015 leva para a Avenida Soares Lopes, a partir deste sábado, 14, a festa em comemoração aos 30 anos de criação da axé music, que dará o ritmo do evento. Realizado pela Prefeitura Municipal e pelo Governo do Estado, por meio da Bahiatursa, com o apoio da Coca-Cola, Cicon Construtora, Base Negócios Imobiliários, Supermercados Meira, Schin, Vog Torres do Sul, American Park e D&D Home Center, o carnaval se estenderá até a próxima terça-feira, 17.
A festa mescla grandes atrações do cenário baiano, como Alinne Rosa, Tuca Fernandes e a banda Pagod’art, com talentos da terrinha, brindando o público com diversidade musical e de programação. Segundo o secretário municipal de Cultura e interino do Turismo, Paulo Atto, o carnaval deste ano proporciona diversão a adultos, crianças e idoso. “Teremos, além dos shows no palco principal, bailes infantil e da terceira idade, sem contar os desfiles de blocos afro, e de bairros”, comenta Atto.
Para o prefeito Jabes Ribeiro, o formato da festa, num palco centralizado e com considerável contrapartida do Governo do Estado e empresas parceiras, inova. “O objetivo não é competir com outras praças, como Salvador, mas proporcionar ao ilheense e ao turista um evento de quatro dias e tranqüilo, com diversidade e segurança para curtir”, frisa o gestor.
Atrações - Este ano, duas grandes estrelas da Axé Music que alçaram voos solos irão pousar no Carnaval de Ilhéus. Alinne Rosa será a atração principal da folia na segunda-feira, 16. O outro nome marcante que Ilhéus receberá de braços abertos é Tuca Fernandes, no dia 14. O ex-vocalista do grupo Jammil está há mais de três anos em carreira solo e retorna ao carnaval na cidade após 15 anos.

PRIMEIRA MÃO: DIVULGADO NOVA EMPRESA QUE CONSTRUIRÁ A BARRAGEM RIO COLÔNIA



Foi divulgado agora a pouco o resultado da licitação de n.º 001/2015 para retomada da construção da Barragem do Rio Colônia em Itapé. Em salvador, o Prefeito Pedrão acompanhou o certame, realizado na tarde desta quinta-feira 12/02, na sede da Embasa, que teve como vencedora a empresa PJ / AJ Construtora LTDA. que agora, deverá passar pela fase de habilitação para dar início às obras.

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

Dirceu e Palocci eram elo de delator com PT, diz Youssef: "Dirceu era o "Bob" no esquema''

A empresa Dirceu recebeu R$ 720 mil da OAS (Foto: Reprodução/Inernet)
A empresa Dirceu recebeu R$ 720 mil da OAS (Foto: Reprodução/Inernet)
O doleiro Alberto Youssef afirmou, em delação premiada à Justiça, em outubro, que o consultor Júlio Camargo — que já admitiu ter intermediado propina no esquema da Petrobras — tinha uma relação “muito boa” com o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu. De acordo com Youssef, Dirceu usava o jatinho do consultor com frequência. Na contabilidade de Camargo o nome de Dirceu aparecia como “Bob”.

“Julio Camargo possuía ligações com o Partido dos Trabalhadores, notadamente com José Dirceu e Antonio Palocci”, diz parte do trecho da delação premiada de Youssef à Polícia Federal, segundo informa nesta quinta-feira (12) o jornal O Globo.

A VERDADE CHOCANTE DOS NÚMEROS DA QUEDA DE DILMA


Vicente Nunes
Correio Braziliense
O Palácio do Planalto está se dizendo “chocado” com a pesquisa Datafolha que mostrou forte tombo na popularidade da presidente Dilma Rousseff. O impacto dos números — apenas 23% da população consideram o atual governo bom ou ótimo, contra 42% de dezembro — levou a chefe do Executivo a fazer ontem uma reunião de emergência com seus conselheiros para definir uma estratégia de reação. É possível que a petista faça um pronunciamento em cadeia de rádio e tevê logo depois do carnaval.
O governo não deveria, porém, mostrar tanta surpresa diante da mais rápida e profunda deterioração política desde a administração Collor de Mello. Basta ver a situação em que o país se encontra para perceber que a resposta dos eleitores é a mais natural possível. Os quatro anos do primeiro mandato de Dilma foram desastrosos, acumulando uma herança maldita que custará caro ao Brasil. Com exceção do mercado de trabalho, cujos dados são influenciados pelo grande número de pessoas que deixaram de procurar emprego, todos os demais indicadores da economia mostram um país de joelhos.

Comissão da Assembleia reinicia discussão sobre as obras da Ferrovia Oeste-Leste

Os trabalhos da Comissão Especial da Ferrovia Oeste-Leste (Fiol) na Assembleia Legislativa da Bahia foram iniciados nesta quarta-feira (11) com a discussão sobre o andamento das obras e a previsão de conclusão de cada um dos lotes. Membro titular da comissão, a deputada estadual Ângela Sousa (PSD) destacou a importância dessa obra para o desenvolvimento de toda a Bahia.

Reconduzida para o cargo de presidente da Comissão Especial da Fiol, a deputada Ivana Bastos(PSD) disse que nos lotes 6 e 7, na região oeste, serviços iniciais já estão sendo executados. No lote 5, da região de Guanambi, a cada dia aumenta o volume de trabalho e na trecho da obra compreendido entre Ilhéus e Caitité, lotes 1 a 4, as operações estão sendo desenvolvidas em ritmo acelerado.

Carnaval de Canavieiras ganha infraestrutura e segurança para garantir a alegria dos foliões


A Prefeitura de Canavieiras está trabalhando para entregar toda a infraestrutura da área de eventos do Carnaval da Reconstrução 2015, que tem como slogan “30 Anos de Axé Music – Sabe de Nada, Inocente!!!”. Este ano, o palco da folia está sendo implantado na área de eventos do Sítio Histórico, um dos mais belos e agradáveis recantos da cidade.

Em encontros mantidos entre o prefeito Almir Melo, o secretário Almir Melo Júnior e o comando da Polícia Militar, foi elaborado um plano de segurança para garantir a tranquilidade dos foliões. A PM, além de manter seu efetivo na segurança da cidade (ronda nos bairros), também manterá um efetivo policial na área do Carnaval.

Carnaval eleva número de atendimentos nas Emergências Oftalmológicas

       
  A folia de Carnaval, com seus 5, 7 ou até 15 dias de festa e os diversos fatores de risco à lesão ocular ao qual ficam expostos foliões e trabalhadores durante a festa de Momo conforma uma tendência de elevação dos casos de atendimento a Emergências Oftalmológicas. Hospitais de Olhos como o DayHORC de Salvador mantém serviços de Urgência e Emergência abertos 24 horas para atender pacientes durante todos os dias de feriado prolongado.

Mikéias “luta” para disputar Seletiva do Mundial de Jiu-Jítsu

Com esperança de estar entre os melhores competidores da modalidade, em Abu Dhabi, o atleta itabunense corre em busca de patrocínio para passar pela Seletiva, no próximo dia 20
 Por 17 vezes campeão baiano de jiu-jítsu e colecionador de títulos, nacional e internacional, a exemplo das recentes conquistas do Internacional Open de Jiu-Jítsu Sem Kimono, em São Paulo e em Florianópolis, o jovem Mikéias Bezerra já está em mais um desafio: o de garantir patrocínio de empresas para a Seletiva do Mundial de Jiu-Jítsu, no dia 20, em Gramado - RS. Ao passar por essa etapa, o atleta estará classificado para o Campeonato Mundial em Abu Dhabi, que será realizado no mês de julho deste ano.

Prefeitura de Ilhéus alerta moradores sobre acesso à Avenida durante o Carnaval Cultural

Quem mora na Avenida Soares Lopes precisará apresentar comprovante de residência para ter acesso.
 A Prefeitura de Ilhéus alerta aos moradores da Avenida Soares Lopes, no centro, sobre o acesso às residências durante o Carnaval Cultura 2015, já que a via será parcialmente paralisada para a festa. De acordo com a Superintendência de Trânsito do Município (Sutran), para ter acesso, os moradores precisarão apresentar comprovante de residência.

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

PF intercepta ligação de Gilmar Mendes para investigado no STF

Da Revista Época - Conversa foi gravada no dia em que o governador Silval Barbosa foi preso em flagrante; Ministro da Justiça também foi flagrado

FILIPE COUTINHO
06/02/2015 20h15 - Atualizado em 06/02/2015 20h53
Kindle
Share33 
Investigação Gilmar  (Foto: Fotos: Ednilson Aguiar/Secom-MT)
Em 15 de maio do ano passado, o Supremo Tribunal Federal, a pedido da Procuradoria-­Geral da República, autorizou a Polícia Federal a vasculhar a residência do então governador de Mato Grosso, Silval Barbosa, do PMDB, à cata de provas sobre a participação dele num esquema de corrupção. Cinco dias depois, uma equipe da PF amanheceu no duplex do governador, em Cuiabá. Na batida, os policiais acabaram descobrindo que Silval Barbosa guardava uma pistola 380, três carregadores e 53 munições. Como o registro da arma vencera havia quatro anos, a PF prendeu o governador em flagrante. Horas mais tarde, Silval Barbosa pagou fiança de R$ 100 mil e saiu da prisão. Naquele momento, o caso já estava no noticiário. Às 17h15, o governador recebeu um telefonema de Brasília. Vinha do mesmo Supremo que autorizara a operação.

“Governador Silval Barbosa? O ministro Gilmar Mendes gostaria de falar com o senhor, posso transferi-lo?”, diz um rapaz, ligando diretamente do gabinete do ministro. “Positivo”, diz o governador. Ouve-se a tradicional e irritante musiquinha de elevador. “Ilustre ministro”, diz Silval Barbosa. Gilmar Mendes, que nasceu em Mato Grosso, parece surpreso com a situação de Silval Barbosa: “Governador, que confusão é essa?”. Começavam ali dois minutos de um telefonema classificado pela PF como “relevante” às investigações. O diálogo foi interceptado com autorização do próprio Supremo – era o telefone do governador que estava sob vigilância da polícia. Na conversa, Silval Barbosa explica as circunstâncias da prisão. “Que loucura!”, diz Gilmar Mendes, duas vezes, ao governador (leia ao lado um trecho da transcrição da conversa). Silval Barbosa narra vagamente as acusações de corrupção que pesam contra ele. Gilmar Mendes diz a Silval Barbosa que conversará com o ministro Dias Toffoli, relator do caso. Fora Toffoli quem, dias antes, autorizara a batida na casa do governador.  Segue-se o seguinte diálogo:

Silval Barbosa: E é com isso que fizeram a busca e apreensão aqui em casa.
Gilmar Mendes: Meu Deus do céu!
Silval Barbosa: É!
Gilmar Mendes: Que absurdo! Eu vou lá. Depois, se for o caso, a gente conversa.
Silval Barbosa: Tá bom, então, ministro. Obrigado pela atenção!
Gilmar Mendes: Um abraço aí de solidariedade!
Silval Barbosa: Tá, obrigado, ministro! Tchau! 
  
 
 
 
 
 
 
AUDIO 01 (Foto: Reprodução)
BOAS RELAÇÕES O governador de Mato Grosso, Silval Barbosa, entrega em 2013 uma medalha de honra ao mérito ao ministro e conterrâneo Gilmar Mendes. O governador é acusado de corrupção pela PF (ao lado) num inquérito que corre no Supremo (Foto: Reprodução)
Meia hora após o telefonema de Gilmar Mendes, foi a vez de o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, ligar para Silval Barbosa. Isso mesmo: o chefe da PF foi interceptado... num grampo da PF. A secretária avisa: “Governador, é o ministro da Justiça”. Curiosamente, a conversa começa quase idêntica à anterior. “Que confusão, hein, governador?”, diz Cardozo. Silval Barbosa repete o que dissera a Gilmar Mendes sobre as acusações de corrupção. “Barbaridade!”, diz Cardozo. Silval Barbosa diz ao ministro que tinha uma arma com registro vencido. Cardozo responde: “Muita gente não sabe disso, viu, Silval?”, diz o ministro sobre as regras de renovação de porte. Cardozo ainda diz “que loucura” quando o governador critica o fato de a investigação ser tocada no Supremo, foro do ex-governador e atual senador Blairo Maggi, um dos investigados, e não no Superior Tribunal de Justiça, foro de Silval Barbosa. A conversa prossegue – em determinado momento, Silval Barbosa é chamado de “mestre” por Cardozo.  “O pessoal da PF se comportou direitinho com você? (…) Eu queria saber muito se a PF tinha feito alguma arbitrariedade”, diz Cardozo. “Fizeram o trabalho deles na maior educação, tranquilo”, afirma o investigado. “Qualquer coisa me liga, tá, Silval?”, diz o ministro da Justiça.

ÉPOCA teve acesso com exclusividade à íntegra do inquérito relatado por Dias Toffoli. É lá que se encontram os áudios transcritos nestas páginas (ouça em epoca.com.br) – e as provas do caso. O inquérito foi batizado com o nome de Operação Ararath – uma referência bíblica ao monte da história de Noé, na qual só os policiais parecem encontrar sentido. Iniciada em 2013, a investigação da PF e do Ministério Público Federal desmontara um esquema de lavagem de dinheiro, crimes contra o sistema financeiro e corrupção política no topo do governo de Mato Grosso. O caso subiu ao Supremo quando um dos principais operadores da quadrilha topou uma delação premiada. Entregou o governador e seus aliados, assim como comprovantes bancários. No dia em que Silval Barbosa foi preso, a PF também fez batidas em outros locais. Apreendeu documentos que viriam a reforçar as evidências já obtidas.
  
AUDIO 02 (Foto: Época)
RAZÕES PARA RIR O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, em momento de descontração com Silval Barbosa. No inquérito, há indícios de que Silval Barbosa recebeu dinheiro do esquema (documento acima) (Foto: Reprodução)
A investigação exigiu do Ministério Público Federal uma força-tarefa de procuradores, além de uma investigação em sigilo absoluto, com direito à entrega de documentos em mãos ao procurador-­geral da República, Rodrigo Janot. Segundo as provas reunidas pelos investigadores, o esquema era simples. O grupo político que governava Mato Grosso desde 2008, representado pelo então governador Blairo Maggi, hoje senador, e Silval Barbosa, que era seu vice, usava a máquina do governo para financiar campanhas eleitorais. Empreiteiras com contratos no governo do Estado faziam ­pagamentos a in­ter­mediários, que por sua vez repassavam dinheiro às campanhas. Esses intermediários eram donos de empresas que funcionavam como pequenos bancos ilegais. Mantinham à disposição do grupo político uma espécie de conta-­corrente. Silval Barbosa foi acusado de articular pessoalmente o pagamento de R$ 8 milhões às campanhas dele e de seus aliados, nas eleições de 2008 e 2010. Há documentos bancários que confirmam o depoimento do delator.
Antes mesmo da batida no apartamento do governador, os delegados foram peremptórios sobre a participação dele no esquema. “Além do crime contra o sistema financeiro nacional, revela-se por parte de Silval Barbosa a prática do crime de corrupção passiva, consubstanciada na solicitação – e posterior recebimento – de empréstimo de R$ 4 milhões (na campanha de 2008), quantia que não seria obtida mediante operação regular (vantagem indevida), para fins eleitorais e partidários (satisfação das necessidades do PMDB), circunstância ligada diretamente a sua atividade política e cargo ocupado (vice-governador); a conduta foi praticada, portanto, em razão da função”, escreveram os delegados ao STF.

O irmão mais novo de Gilmar Mendes, Francisco Mendes, pertence ao mesmo grupo político de Silval Barbosa e Blairo Maggi. Francisco Mendes foi prefeito de Diamantino, cidade natal da família. Apesar da proximidade com Silval Barbosa, Francisco Mendes, ressalte-
se, não está sob investigação da PF. O ministro Gilmar Mendes também mantém boas relações com Silval Barbosa. Em 21 de junho de 2013, quando Silval Barbosa era governador e o caso começava a ser investigado pela for­ça-tarefa, Gilmar Mendes foi ao gabinete dele em Cuiabá para receber a medalha de honra ao mérito do Estado de Mato Grosso. Assim falou Gilmar Mendes: “É uma visita de cortesia ao governador. Somos amigos de muitos anos, temos tido sempre conversas muito proveitosas. Fico muito honrado. Faço tudo para que o nome de Mato Grosso seja elevado”.

Em sete de outubro, quatro meses após o telefonema de solidariedade a Silval Barbosa, o ministro Gilmar Mendes foi convocado a desempatar um julgamento do inquérito. A Procuradoria-Geral da República pedira ao Supremo que o principal operador do esquema, segundo a PF, fosse preso novamente. Argumentava-se que ele tentara fugir – e tentaria de novo. Trata-se de Éder Moraes. Ele fora secretário da Casa Civil, da Fazenda e chefe da organização da Copa do Mundo em Mato Grosso nos governos de Blairo Maggi e Silval Barbosa.
 
Quatro meses após ligar para Silval, Gilmar  deu o voto decisivo para manter livre o operador do esquema
O pedido foi julgado na primeira turma do Supremo, composta de cinco ministros. Meses antes, Toffoli, o relator do caso, votara por mantê-lo em liberdade. Os ministros Celso de Mello e Luís Roberto Barroso avaliaram que não poderiam atuar no caso. Sem declinar as razões, Celso de Mello e Barroso se declararam suspeitos. O ministro Luiz Fux votou com Toffoli, mas os ministros Marco Aurélio Mello e Rosa Weber votaram a favor do pedido do Ministério Público – pela prisão preventiva. O julgamento estava empatado. Faltava um voto. O ministro Gilmar Mendes avaliou que não tinha razões para se declarar impedido ou suspeito de participar do julgamento. Votou contra a prisão do acusado. Foi o voto que assegurou a liberdade de Éder Moraes – que, segundo as investigações, era o parceiro de Silval Barbosa no esquema.

Procurados, os ministros Gilmar Mendes e Dias Toffoli disseram que não conversaram sobre o processo. ÉPOCA enviou ao ministro Gilmar Mendes cópia do diálogo interceptado pela PF. Em nota, o ministro negou qualquer conflito de interesses ao participar do julgamento do operador. Também não viu problemas no teor do telefonema de solidariedade ao investigado. “Ao ser informado pela imprensa sobre a busca e apreensão na residência do então governador do Estado do Mato Grosso, com quem mantinha relações institucionais, o Min. Gilmar Mendes telefonou ao Governador Silval Barbosa para verificar se as matérias jornalísticas eram verídicas”, diz a nota. A assessoria do ministro disse ainda que ele usou as expressões “que absurdo” e “que loucura” como interjeições, sem juízo de valor. Gilmar Mendes preferiu não fazer nenhum comentário adicional sobre o assunto.

A amigos, Gilmar Mendes disse que seu voto no caso obedeceu aos mesmos princípios que ele sempre seguiu em julgamentos de pedido de prisão. Segundo a assessoria de Gilmar Mendes, o ministro não julgou Silval Barbosa e, mesmo nesse caso, não haveria motivo para impedimento ou suspeição porque, segundo Gilmar Mendes, eles não são amigos íntimos. “O ministro Gilmar Mendes foi convocado a participar do julgamento de agravo regimental pela Primeira Turma e, no caso, não se verificam quaisquer das hipóteses de suspeição e impedimento, estritamente reguladas nos artigos 277 a 287 do RISTF, 95 a 107 do CPP e 134 e 135 do CPC”, diz uma nota do ministro.

As leis e as normas citadas pelo ministro estipulam os casos em que um magistrado pode se declarar impedido ou suspeito para julgar um caso. Há uma diferença entre impedimento e suspeição. Um juiz declara-se impedido de julgar determinado processo por critérios objetivos. Quando há razões subjetivas que possam comprometer a parcialidade do juiz, ele deve se declarar suspeito. Um juiz deve se declarar impedido quando, por exemplo, ele for parente de uma das partes do processo. Os critérios subjetivos que determinam a suspeição do juiz são vagos: incluem ser “amigo íntimo ou inimigo capital”. Na prática, com exceção de casos muito claros, como os que envolvem parentesco com os acusados, o juiz tem liberdade para decidir, caso a caso, quando deve se declarar impedido ou suspeito.
 
SEM CONVERSA O ministro Dias Toffoli, relator  do caso. Ele diz  que não falou  com Gilmar  Mendes sobre  a prisão  do governador (Foto: Alan Marques/Folhapress)
Ouvido por ÉPOCA, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, disse que é seu dever apurar abusos da Polícia Federal e, por isso, ligou para o governador. “Sempre que recebo algum tipo de informação de que pode ter ocorrido algum tipo de abuso, é meu dever apurar. Era uma mera busca e apreensão, e não havia prisão. Posteriormente, pela imprensa, chegou a informação de que o governador tinha sido preso. Deputados também tinham dito que houve arbítrio. E para checar exatamente o que tinha acontecido, eu liguei para o governador para saber o que tinha acontecido.” Segundo Cardozo, ele mantinha contato frequente com Silval Barbosa por ser governador e, por isso, ligou diretamente. O ministro afirmou ainda que, ao falar em “loucura” e “barbaridade”, usou expressões de concordância, sem juízo de valor.
O advogado de Silval Barbosa, Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, disse que não há provas contra o ex-governador. “O caso está sendo investigado e a única base das acusações é uma delação que já foi, inclusive, desmentida pelo delator mediante retratação formal. A defesa não considera que exista qualquer prova de irregularidade contra o governador Silval Barbosa”, disse.

O senador Blairo Maggi negou qualquer participação no esquema. O advogado de Éder Moraes, Rodrigo Alencastro, negou a participação de seu cliente como operador do grupo de Silval Barbosa. “Ele jamais teve esse papel de operador e nem sequer conhece a existência do esquema. Essas afirmações do delator são todas peremptoriamente negadas por Éder Moraes”, disse.

No Supremo, após a decisão que manteve solto o homem acusado de ser o principal operador do esquema, o inquérito contra Silval Barbosa e Blairo Maggi tramita lentamente.