Vamos salvar o Rio Cachoeira! É o nosso maior patrimônio. Não jogue lixo em seu leito. Povo limpo, cidade civilizada... Vamos preservar a nossa história.

terça-feira, 24 de junho de 2014

Dia na História: Viva São João!

Dia na História: Viva São João!

O Dia de São João é comemorado em 24 de Junho, pois é a data tradicionalmente atribuída ao seu nascimento. São João é considerado o santo mais próximo de Cristo, pois além de ser seu primo em primeiro grau, Jesus foi batizado por João nas margens do Rio Jordão. São João é conhecido como "Santo festeiro", e nesse dia são realizadas muitas festas e comemorações, cheias de danças e comidas típicas. Alguns símbolos muito conhecidos nas celebrações são a fogueira, os fogos de artifício, o milho, canjica, bolo de aipim, o licor, e muitos outros. Cidades do interior preparam grandes festejos e é muito comum os moradores passarem de casa em casa levando comidas e bebidas e experimentando de tudo. Na Bahia e em toda a região Nordeste, o São João é uma das festas mais esperadas do ano.   por Nardele Gomes no dia 24 de Jun de 2014 

Copa do Mundo bate recorde na TV portuguesa; mais da metade do país assistiu a partida entre Portugal e EUA

Copa do Mundo bate recorde na TV portuguesa; mais da metade do país assistiu a partida entre Portugal e EUA
Foto: Reprodução / Sportspost
A Copa do Mundo no Brasil anda batendo alguns paradigmas e recordes. A "Copa da Copas" - como dizem por aí, está quebrando algumas barreiras no mundo futebolístico. O último veio lá de Portugal. De acordo com jornal português Diário Econômico, o empate entre a seleção portuguesa e Estados Unidos, no último domingo (22) em Manaus, bateu recorde na televisão portuguesa. A partida foi vista por 5,4 milhões de torcedores - mais da metade dos 10,2 milhões de habitantes do país. E agora, qual será o novo recorde que a Copa no Brasil irá quebrar? Metro1 - O portal de noticias da rádio metropole

Trabalhadores da rede municipal realizarão nova assembleia dia 04

Em assembleia realizada na tarde da última sexta-feira (20) os trabalhadores em educação da rede municipal de Ilhéus decidiram fazer uma nova paralisação de advertência no próximo dia 04 de julho, em sinal de protesto contra a decisão do prefeito Jabes Ribeiro de não cumprir a lei que determina o pagamento do piso nacional dos professores e o reajuste salarial anual dos demais servidores e também por se recusar a negociar com a categoria. De acordo com a decisão dos trabalhadores, às 8 horas da manhã do dia 04 de julho será realizada uma reunião com os pais dos alunos, seguindo com a assembleia da categoria.

Os trabalhadores não descartam a possibilidade de realizar uma greve por tempo indeterminado, já que a pauta da campanha salarial de 2014 foi protocolada na Prefeitura em dezembro do ano passado, mas até agora o governo não apresentou uma proposta de negociação. No ano passado os trabalhadores em educação realizaram uma greve de mais de 80 dias e como o governo municipal insistiu em não conceder a reposição salarial, os sindicatos decidiram ingressar na justiça para cobrar seus direitos. Em sua decisão, a juíza da Vara do Trabalho deu ganho de causa aos trabalhadores, mas o prefeito se recusa a atender à determinação judicial.

A assembleia realizada na última sexta-feira contou com a participação do coordenador geral licenciado da APLB e pré-candidato a deputado estadual Rui Oliveira, que reafirmou a importância de todos os trabalhadores em educação da rede municipal de Ilhéus permanecerem na luta em defesa dos seus direitos. Rui Oliveira destacou que nesse momento de luta os trabalhadores precisam estar unidos, fortes e juntos no mesmo propósito, sem se render às ameaças e tentativas de intimidações por parte do governo municipal.


A reunião contou também com a participação do advogado Iruman Contreiras, que confirmou o crime de assédio moral praticado pelo prefeito e explicou que a ameaça de demissão por parte do governo municipal não passa de uma falácia para amedrontar os trabalhadores. Com base na legislação, Iruman Contreiras provou que o prefeito não poderá, em nenhuma hipótese, demitir os trabalhadores do período de 1983 a 1988, como ele vem afirmando na imprensa regional.