SÃO JORGE AO LADO DE DEUS NOS PROTEJA

Oração Poderosa de São Jorge para Quebrar Demandas e Vencer na Vida. São Jorge, guerreiro vencedor do dragão, Rogai por nós. Ó São Jorge, meu guerreiro, invencível na Fé em Deus, que trazeis em vosso rosto a esperança e confiança abra os meus caminhos. ... Com o poder de Deus, de Jesus Cristo e do Divino Espírito Santo. NOS LIVRE DESSA PANDEMIA.

Não jogue lixo no Rio Cachoeira, ele é o nosso maior patrimônio natural.

quinta-feira, 3 de outubro de 2013

ARTIGO DE HELÔ SAMPAIO: Sonhos não morrem. O Ideal da Vida virá um dia.

A gente se desespera, vê tanta molecagem, tanta roubalheira, estupro, drogas, mães ensinando filhos a roubarem, golpes em pessoas decentes, é tanto mau-caratismo que a gente chega a achar que não tem mais jeito para este nosso país tropical. É bandalheira pra todo lado. Fico pensando na agonia dos meus coleguinhas da imprensa tendo que noticiar diariamente a degeneração da nossa sociedade.



Mas, um dia o sol nasce mais bonito – e ainda nem é Carnaval nem Natal – e, de repente, brota uma sementinha no nosso coração, que fica assim, desconfiado. Será que ainda tem jeito? E a sementinha teimosa vai se firmando, lutando contra tudo, tentando nos dizer ‘pode crer que ainda não apodrecemos todos, não’. E a gente vai deixando a tal da sementinha da Esperança se desenvolver, mas com um olho no padre, outro na missa, sempre desconfiando, esperando um golpe a qualquer hora. Por falta de opção, a gente cultiva, alimenta a Esperança e, com o tempo, concorda: realmente, ainda existe gente direita.

Enquanto escrevo esta crônica, me veio a cabeça um poema que eu recitava nas festinhas do Clube de Ibicaraí. É um poema do Raul de Leôni (1895 - 1926), intitulado Legenda dos dias. Primeiro, perguntei a minha mãe o que significava ‘afastar o horizonte pela esfera’, que eu não entendia. Mas eu adorava o ultimo verso. Eu estou me vendo gordinha, fofinha de vestido plissado no palco, com muitas luzes, todo mundo olhando para mim. Após um pequeno suspense, eu recitava, gesticulando como uma declamadora profissional, acho eu: 

O Homem desperta e sai cada alvorada/ Para o acaso das cousas… e, à saída,/ Leva uma crença vaga, indefinida,/ De achar o Ideal nalguma encruzilhada…

As horas morrem sobre as horas… Nada!/ E ao poente, o Homem, com a sombra recolhida/ Volta, pensando: “Se o Ideal da Vida/ Não veio hoje, virá na outra jornada…

Ontem, hoje, amanhã, depois, e, assim, / Mais ele avança, mais distante é o fim,/ Mais se afasta o horizonte pela esfera;

E a Vida passa… efêmera e vazia:/ Um adiantamento eterno que se espera, / Numa eterna esperança que se adia…

Palmas entusiasmadas da plateia, eu, toda ruborizada, agradecendo, mas já correndo para a barra da saia da minha mãe, toda encabulada. Não me acostumo com a fama...

Mas vamos voltar para ‘a real’. Eu estava olhando de cantinho de olho para essa historia do ‘mensalão’. Isso não vai dar em nada. Aí, chegou um homem de toga preta e disse: ainda haverá decência nesse País. Dei um risinho de descrença. Seu Joaquim, nós somos pessoas vividas e sabemos como são as coisas no Patropi. O senhor ainda cai da cama e chora? Bata-me um abacate. Mas ele insistiu que não, não vamos permitir mais molecagem com o dinheiro público. E partiu para afrontar os tubarões, sacudindo a sua capa preta por trás de uma moça com uma venda nos olhos e uma balança nas mãos.

Deu um susto danado nos bichões, foi vexame e corre-corre pra tudo que foi lado. Aí, uns ‘homes’ de capa vermelha se articularam, viraram a banca e venceram a batalha, levando Joaquim e as esperanças do povo brasileiro à nocaute. A guerra acabou? Não sei. Mas quero dizer ao homem da capa preta, meu herói, que quando ele retornar ao poente, com a sombra recolhida, pense que o Ideal poderá vir amanhã, na outra jornada. A Esperança não morreu e os ‘homes de vermelho’ apenas adiaram a chegada da Decência e da Moral. Mas, elas virão!

Quando falam nos tais ‘embargos infringentes’ – que eu, pequena jornalista baiana ainda não tinha sido apresentada – eu sempre associo com frigideira, fritura, pizza. De repente, o Supremo passou a ser para 'eles' um supreminho, abrigo para alguns premiados advogados de sindicatos, onde qualquer estudante de Direito vai lá e diz que tudo que ele decidiu pode ser rediscutido. Mas alguns ‘capas pretas’ fizeram ‘caso de amor’ com a tal de Decência. E a dona Esperança ainda está estertorando, mas não morreu. Galera do Mal, parem o funeral que as velas vão servir para anunciar o nascimento de um novo País. Creio firmemente nisso.

E brigo todo dia com a minha irmã Carmen, que já quer ‘jogar a toalha’, desacreditada na tal da moça da venda nos olhos, achando que ela não vê nada, não sabe nada. Faz isso não, mana! O ‘capa preta’ está ao lado dela e guiará a espada Justiceira pelo caminho certo Mesmo que seja em outra jornada. E nós, da ‘zelite’ pagadora de impostos, vamos ver nossos valores morais, nosso povo e nosso dinheiro serem respeitados. Aposto em sua pule, confio em ti, Joaquim!

E como pessoas boas existem, vamos começar cantando os parabéns pelos 14 anos (dia 24 de setembro) do Abrigo São Gabriel para Idosos de Deus, uma obra divina comandada pelo amor e fraternidade do Irmão Gabriel, que ampara e dá decência aos idosos desta cidade. Te amo, meu Irmão Gabriel, e Deus sempre amparará esta sua obra, destacando as pessoas de bem para lhe ajudarem.

Para comemorar esta vitória e Irmão Gabriel e a nossa vitória que ainda virá, vamos saborear esta torta que a minha irmãzinha Carmen sacou do blog CULINÁRIA-RECEITAS , receita de André Albuquerque, que é uma delicia. Avental a postos, vamos para a cozinha!

Tortinhas de Doce de Leite

Ingredientes:
400 g de Margarina
Farinha de trigo
1 Colher (chá) de sal
2 latas de Leite condensado

Modo de fazer. 
- Colocar a margarina junto com a pitada de sal numa tigela, adicionar a farinha trigo aos poucos até obter uma massa homogênea. O ponto da massa é quando ela não gruda nas mãos.
- Colocar a massa nas forminhas (para empada), evitando deixar a massa muito grossa. 

Recheio:
- Colocar o leite condensado até a metade do espaço da forminha. Levar ao forno e esperar o recheio ficar com uma coloração caramelada. Esse é o ponto para retirar.
Esperar esfriar para saborear!

Cuidados: Se a massa ficar muito ressecada coloque mais margarina; Se ficar muito oleosa coloca mais farinha. Se colocar muito leite condensado pode esborrar e ficar difícil a retirada das forminhas. Coma com gosto de vitória!

H  Helô Sampaio - Jornalista.


Nenhum comentário: