Lixo

Itabunense seja educado não jogue lixo na rua e nem no Rio Cachoeira. A Natureza agradece!

sábado, 9 de julho de 2011

O que é desinformação

Olavo de Carvalho

Se o público brasileiro não adquirir rapidamente os conhecimentos básicos que o habilitem a reconhecer operações de desinformação pelo menos elementares, toda a nossa imprensa, toda a nossa classe política e até oficiais das Forças Armadas podem se transformar, a curtíssimo prazo, em inermes e tolos agentes desinformadores a serviço da revolução comunista na América Latina.

A maior parte das nossas classes letradas não sabe sequer o que é desinformação. Imagina que é apenas informação falsa para fins gerais de propaganda. Ignora por completo que se trata de ações perfeitamente calculadas em vista de um fim, e que em noventa por cento dos casos esse fim não é influenciar as multidões, mas atingir alvos muito determinados - governantes, grandes empresários, comandos militares - para induzi-los a decisões estratégicas prejudiciais a seus próprios interesses e aos de seu país. A desinformação-propaganda lida apenas com dados políticos ao alcance do povo. A desinformação de alto nível falseia informações especializadas e técnicas de relevância incomparavelmente maior. 

O uso de informações falseadas é conhecido nas artes militares desde que o mundo é mundo. "A arte da guerra consiste substancialmente de engodo", dizia Sun-Tzu no século V a. C. Exemplos de informação falsa usada fora do campo militar estrito aparecem, aqui e ali, na história mundial. Calúnias contra judeus e protestantes nos países católicos, contra os católicos e judeus nos países protestantes foram muitas vezes premeditadas para justificar perseguições.

Os revolucionários de 1789 montaram uma verdadeira indústria de informações falsas para jogar a opinião pública contra o rei e, depois, para induzi-la a apoiar as medidas tirânicas do governo revolucionário. O exemplo mais célebre foi a "Grande Peur", o "Grande Medo": informações alarmistas espalhadas pelo governo, que, anunciando o iminente retorno das tropas reais - impossível, àquela altura - desencadeavam explosões de violência popular contra os suspeitos de monarquismo; explosões que em seguida o próprio governo mandava a polícia controlar, brilhando no fim com a auréola de pacificador. A história das revoluções é a história da mentira.

Mas tudo isso ainda não era desinformação. Invenção pessoal de Lenin (1), a desinformação (desinformátsya) consiste em estender sistematicamente o uso da técnica militar de informação falseada para o campo mais geral da estratégia política, cultural, educacional etc., ou seja, em fazer do engodo, que era a base da arte guerreira apenas, o fundamento de toda ação governamental e, portanto, um instrumento de engenharia social e política. Isso transformava a convivência humana inteira numa guerra - numa guerra integral e permanente. 

Quando Hitler usou pela primeira vez, em 1939, a expressão "guerra total" para designar um tipo moderno de guerra que não envolvia apenas os políticos e militares, mas toda a sociedade, a realidade da coisa já existia desde 1917 na Rússia, mesmo sem combates contra um inimigo externo: o socialismo é a guerra civil total e permanente.

No governo de Lenin, a desinformação era também a regra geral da política externa. A famosa abertura econômica, planejada como etapa dialética de uma iminente estatização total, foi anunciada como sinal de um promissor abrandamento do rigor revolucionário, não só para atrair os capitalistas, mas para dissuadir os governos ocidentais de apoiar qualquer esforço contra-revolucionário. 

Assim, muitos líderes exilados, desamparados pelos países que os abrigavam e iludidos pela falsa promessa de democratização na Rússia, voltaram à pátria conforme calculado e, obviamente, foram fuzilados no ato. Dos que não voltaram, muitos foram mortos no próprio local de exílio por agentes da Tcheka, a futura KGB.
O uso da informação traiçoeira nessa escala era uma novidade absoluta na política mundial. 

Para fazer idéia de quanto as potências ocidentais estavam despreparadas para isso, basta saber que os EUA não tiveram um serviço secreto regular para operar no exterior em tempo de paz senão às vésperas da II Guerra Mundial. Outro ponto de comparação: a "ofensiva cultural" soviética - sedução e compra de consciências nas altas esferas intelectuais e no show business - começou já nos anos 20. A CIA não reagiu com iniciativa semelhante senão na década de 50 - e foi logo barrada pela gritaria geral da mídia contra a "histeria anticomunista".

Não obstante a abjeta inermidade das potências ocidentais ante a Revolução Russa, o governo leninista mantinha o povo em sobressalto, alardeando que milhares de agentes secretos estrangeiros estavam em solo russo armando a contra-revolução. Um dos raros agentes que comprovadamente estavam lá era o inglês Sidney Reilly, um informante mitômano que o Foreign Office considerava pouquíssimo confiável, e do qual a propaganda soviética fez o mentor supremo da iminente invasão estrangeira que, evidentemente, nunca aconteceu.

Para avaliar o alcance dos efeitos da desinformação soviética, basta notar que até a década de 70 o livro de Michael Sayers e Albert E. Kahn, "A grande conspiração", inspirado no alarmismo leninista de 1917, ainda circulava em tradução brasileira como obra séria, com a chancela de uma grande editora. Diante de casos como esse, de autodesinformação residual espontânea, não espanta que os soviéticos tivessem em baixíssima conta a inteligência dos brasileiros, principalmente comunistas.

Operações de desinformação em larga escala só são possíveis para um regime totalitário, com o controle estatal dos meios de difusão, ou para um partido clandestino com poder de vida e morte sobre seus militantes. Qualquer tentativa similar em ambiente democrático esbarra na fiscalização da imprensa e do Legislativo. Não há, pois, equivalente ocidental da desinformação soviética. 

Um governo pode, é claro, fazer propaganda enganosa, mas não pode fazer desinformação porque lhe faltam os meios para o domínio calculado dos efeitos, que é precisamente o que distingue a técnica leninista. Inversa e complementarmente, a liberdade de informação nos países democráticos sempre foi de uma utilidade formidável para a desinformação soviética, não só pelo contínuo vazamento de informações secretas do governo para a imprensa, mas também pela facilidade de divulgar informações falsas pela mídia ávida de denúncias e escândalos. 

O célebre general armênio Ivan I. Agayants, por muitas décadas chefe do departamento de desinformação da KGB, chegava a ficar espantado ante a facilidade de plantar mentiras na imprensa norte-americana. Espantado e grato. Ele dizia: "Se os americanos não tivessem a liberdade de imprensa, eu a inventaria para eles."

NB: Este assunto continua no artigo da semana que vem. Por enquanto, vão apenas tratando de conjeturar, se quiserem, o seguinte: quantos técnicos em desinformação, que aprenderam em Cuba sob a orientação da KGB, são hoje "formadores de opinião" no Brasil?

*Há dez anos atrás Olavo de Carvalho alertou sobre a necessidade de se compreender e saber como funciona a desinformação. Poucos deram ouvidos. Nas faculdades de jornalismo nem se conhece o termo.
Publicado no jornal O Globo, em 17 de Março de 2001 e republicado no Mídia Sem Máscara

Nota:
1 - Olavo de Carvalho observou recentemente que muitos ainda citam Lenin como inventor do termo, mas Edward J. Epstein apresenta na obra Deception: The Invisible War between the KGB and the CIA (New York, Simon & Schuster, 1989), registro mais antigo da palavra. Olavo conta que o Estado Maior da Alemanha fez uso da desinformação durante a Primeira Guerra Mundial, e que o revolucionário russo provavelmente aprendeu o termo nessa fonte por meio dos contatos que prepararam seu retorno à Rússia num trem militar alemão.

BRASIL, O PARAISO DA BANDIDAGEM


O Brasil tem desde terça-feira passada, dia 05, um  novo texto no sistema do Código de Processo Penal (CPP) . A mudança atende à lei 12.403/2011, sancionada pela presidente Dilma Rousseff. Foram alterados 32 artigos do Código.

Uma alteração considerável prevê a possibilidade de aplicação de medidas alternativas no lugar da prisão preventiva. Ou seja, crimes como furto simples, ato obsceno em local público, roubo a mão armada, lesão corporal gravíssima, uso de armas restritas, desvio de dinheiro público, corrupção passiva, peculato, extorsão, bigamia, desacato, dentre outros delitos, não serão mais punidos com prisão preventiva.

O objetivo do projeto é diminuir a aplicação de fianças e principalmente a superlotação das cadeias em todo o país, especificamente na Bahia, onde a situação chega a 2,5 presos por vaga, segundo dados do Departamento Penitenciário Nacional (Depen), de dezembro de 2010.

A Bahia, ao lado Paraná, é o estado com o maior índice de superlotação ficando à frente de estados como Alagoas, Pernambuco, Maranhão, São Paulo e Rio de Janeiro.

Em tese, a prisão em flagrante e preventina só valerá em casos raríssimos como homicídio qualificado, estupro, tráfico de entorpecentes (drogas) e latrocínio. A fiança se estende apenas para crimes que forem cometidos com até quatro anos de prisão. Decisão esta, que não era permitida desde 1940.

Logo, crimes de porte de arma de fogo, disparo de arma de fogo, furto simples, receptação, apropriação indébita, homicídio culposo no trânsito, cárcere privado, corrupção de menores, formação de quadrilha, contrabando, armazenamento e transmissão de foto pornográfica de criança, assédio de criança para fins libidinosos, destruição de bem público, comercialização de produto agrotóxico sem origem, emissão de duplicada falsa, não levam ninguém mais às cadeias (só se for reincidente).

Você que é cidadão honesto, trabalhador, cumpridor dos seus deveres, está, ainda mais, à mercê da bandidagem, graças a este novo código.

Pelo menos você já pode comprar um revólver para defender seu lar, pois apesar de ser crime, não dá prisão em flagrante.

Rui Barbosa tinha razão!
Parte superior do formulário

sexta-feira, 8 de julho de 2011

Pastor é detido em São Paulo, após pregar sobre práticas homossexuais

Dr. Zenóbio Fonseca
Foi detido em São Paulo um pastor que pregava sobre práticas homossexuais citando versículos da Bíblia. Ele foi levado para prestar depoimento na delegacia porque um “ouvinte” que passava por ali se sentiu ofendido com as palavras que o pastor dizia e logo chamou a polícia. Assista ao vídeo aqui:


A detenção ocorreu em 28 de junho de 2011, por volta das 15h, na Praça da Sé, onde é comum pastores pregarem todos os dias.
Ainda que discordando da forma e do modelo de pregação feita naquele local, o pastor que foi detido estava em seu direito constitucional e liberdade de expressar a sua fé e valores. Mas ele foi impedido de continuar a sua pregação por causa de um ouvinte gay “ofendido”, enquanto a marcha pela maconha, a marcha gay e a marcha das vadias são livres e recebem apoio estatal e liberdade do judiciário, mesmo quando a população fica ofendida.
O PLC 122/06 que criminaliza a homofobia ainda não foi aprovado no Brasil, e os gays “ofendidos” já têm mais direitos do que a população. Se estivesse em vigor, o que os gays “ofendidos” poderiam fazer contra os cristãos?
Divulgação: www.juliosevero.com

Geraldo Briglia já mostra trabalho

Bríglia, a direita, ao lado do diretor Octaviano
Estamos recebendo a informação de que o novo presidente da Emasa, Geraldo Briglia, já autorizou a limpeza e recuperação das estações elevatórias de esgoto do bairro Berilo e a da Av. Amélia Amado.

Esse trabalho faz parte de uma determinação do Prefeito Capitão Azevedo de retirar as redes de esgotos do Rio Cachoeira. A meta do prefeito é melhorar a qualidade de vida da população.

Para isso, o governo municipal, por meio da Emasa, vem investindo na ampliação da rede de abastecimento de água e no saneamento de vários bairros de Itabuna. Para Capitão Azevedo, a melhoria dos bairros de Itabuna é uma prioridade. O Programa Prefeitura Móvel já chegou a diversas comunidades, resolvendo antigas demandas.
Foto: Alex de Souza

Gilberto Santana quer implantação de restaurante universitário na UESC

O deputado estadual coronel Gilberto Santana (PTN) encaminhou ao governador Jaques Wagner pedido para implantação do Restaurante Universitário na Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), na Rodovia Ilhéus/Itabuna. De acordo com o deputado, os alunos do Campus Soane Nazaré de Andrade, da UESC viajam diariamente para poder estudar. Alguns, vem de localidades da região com até 100 Km, tomando como parâmetro as cidades de Almadina e Coaraci e muitos passam o dia sem almoçar. "Daí a reivindicação da implementação, implantação e funcionamento do Restaurante Universitário no sistema bandejão, mediante subsídios. Pelo visto, este sistema vai oferecer refeições em valores subsidiados por recursos do Governo do Estado através da Secretaria Estadual da Educação e da Uesc", avaliou o parlamentar.

O sistema de restaurante em questão, desta forma, vai beneficiar todos os estudantes, cujo subsídio será estendido aos alunos de graduação e pós-graduação devidamente matriculados e com frequência regular, em especial aos alunos de menor poder aquisitivo, residentes em outros municípios que enfrentam as dificuldades de horários de transportes. Importante ressaltar a notícia no sentido de que já existe o espaço para o restaurante dentro da própria UESC, contendo mobiliário, máquinas, utensílios, outros objetos e instrumentos indispensáveis ao seu funcionamento, tudo pertencente a Universidade Estadual.
Coronel Gilberto Santana destaca ainda que a Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS) serve de referência com o pleno funcionamento do Restaurante Universitário subsidiado. "De igual modo, funcionam os restaurantes da UNICAMP, dentre outros, como desejam os alunos da UESC", enfatizou. "Não poderia deixar de registrar, buscando pesquisa sobre a sua história, em breve síntese, que a UESC é uma instituição de ensino superior brasileira, surgida na década de 1960 integrada às Faculdade de Direito de Ilhéus, Faculdade de Filosofia de Itabuna e a Faculdade de Ciências Econômicas de Itabuna, fundadas em 1961 e a última em 1966. Mas, somente em 6 de dezembro de 1991 foi estadualizada, pois o governo do Estado incorporou a escola particular FESPI ao quadro das escolas públicas de 3º grau da Bahia", concluiu o parlamentar.

Da Assessoria do Deputado

 Por: Chico Ferreira 
Foto: Arquivo


quinta-feira, 7 de julho de 2011

AMITABUNA DISCUTE REGIÃO METROPOLITANA DO CACAU AMANHÃ NA FTC


O AmItabuna, uma Organização Não Governamental e que tem como principal objetivo a discussão de assuntos que venham a transformar a realidade e o futuro de Itabuna e Região, em conjunto com a AMURC – Associação dos Municípios do Sul, Extremo Sul e Sudoeste da Bahia, realizará no auditório da FTC, em Itabuna, amanhã (08), às 19:00h, Fórum onde se iniciará as discussões com vistas à implementação da Região Metropolitana de Itabuna e Ilhéus, chamada RM do Cacau, tendo em vista Indicação de n.18.466/11 de iniciativa do Deputado Estadual Gilberto Santana.

           No evento estão programadas palestras dos Doutores Maria Adélia Aparecida de Souza e Aldo Aloísio Dantas da Silva, professores da USP, especialistas em Região Metropolitana, que participarão expondo suas idéias e propostas para a implementação do projeto da RM do Cacau, o debate também contará com a participação de jornalistas e representantes da sociedade organizada, oportunidade em que poderemos verificar in loco o que é, e a que se destina uma Região Metropolitana.

            Maiores informações poderão ser obtidas pelos telefones:
            (71)9107-5113 – Allah Góes
            (73)9972-1858 – Afonso Dantas
            (73)3613-5114 - AMURC

           
             Por: Allah Muniz de Góes
,    Presidente da AmItabuna

Prefeito de Itabuna ameaça ingressar na Justiça em defesa da saúde


O Prefeito de Itabuna Capitão Azevedo concedendo entrevistas a vários veículos de comunicação de Itabuna na tarde de hoje (07), em um dos programas; “De Olho na Cidade” transmitido pela Rádio Jornal de Itabuna e apresentado pelos radialistas> Val Cabral, Valter Machado e Jarles Soares, sobre a questão da caótica situação da saúde no município, disse que já se esgotaram todos os diálogos com a Secretária Estadual da Saúde.

 Por causa desses entraves, Capitão Azevedo informou que, através do deputado Luiz Argolo (PP), amanhã (08) terá uma audiência com o Governador Jaques Wagner; “Caso o Governador não resolva o problema, o jeito é entrarmos com uma ação na Justiça para que os repasses aconteçam, para sanar o problema” quando citou também a grave situação do CEMEPI, antigo IPEPI, que já se esgotaram todos os recursos para manter a instituição com mais de 43 anos tratando de nossas crianças.

O prefeito, com a participação popular, também fez um balanço de seu Governo, principalmente das inúmeras obras que estão sendo realizadas e a decisão do momento da transferência da Feira Livre do Bairro São Caetano para as antigas instalações da Indústria Kildere, no mesmo bairro, com toda a infraestrutura.              

Gilberto Santana participa de debate da Região Metropolitana do Cacau

O deputado estadual coronel Gilberto Santana (PTN) participa, nesta sexta-feira, dia 8, de debate com a Associação dos Municípios do Sul, Extremo Sul e Sudoeste da Bahia (AMURC) e a ONG AmItabuna, para debater a criação da Região Metropolitana da região Cacaueira, proposta pelo deputado na Assembléia Legislativa. O debate, que tem como objetivo discutir vantagens e avanços para a região com a criação da RM terá palestra dos doutores Maria Adélia Aparecida de Souza e Aldo Aloísio Dantas da Silva, professores da USP, especialistas em Região Metropolitana.

O encontro é uma promoção da ONG, que tem como principal objetivo a discussão de assuntos que possam contribuir para transformar a realidade e o futuro de Itabuna e Região. Ela ocorrerá no auditório da FTC, na cidade de Itabuna, às 19h. A criação da Região metropolitana do Cacau foi uma indicação de iniciativa do deputado estadual Gilberto Santana.

Apoio  ao CEMEPI de Itabuna
Como integrante da Comissão de Saúde e Saneamento da Assembléia Legislativa, o deputado estadual coronel Gilberto Santana encaminhou ao colegiado, solicitação do Centro Médico Pediátrico de Itabuna (CEMEPI) com pedido de auxílio financeiro diante das dificuldades que vem impedindo que dê continuidade ao atendimento da população. 
“Trata-se de um hospital que funciona há 43 anos com o atendimento pediátrico, através do Sistema Único de Saúde (SUS), particular e convênios. Entretanto, o seu forte é a prestação de serviços pelo SUS e é de conhecimento geral que isso vem gerando uma séria crise às entidades. 

O CEMEPI encontra-se endividado, tomando empréstimos em bancos para não suspender o atendimento à comunidade, já que é o único hospital da especialidade na região. Vale ressaltar que o fechamento do CEMEPI representará graves prejuízos para o atendimento à saúde de Itabuna e dos municípios vizinhos”, enfatizou o parlamentar.

O deputado encaminhou o pedido de ajuda da entidade à comissão de Saúde e hoje mesmo esteve reunido com o secretário de Saúde do Estado, Jorge Solla, para quem expôs a situação do CEMEPI e solicitou apoio para tentar reverter o quadro grave que a instituição atravessa. “Se o CEMEPI deixar de restar atendimento a Itabuna e Região, os prejuízos serão enormes, pois os pacientes terão que se deslocar para fora da região como Vitória da Conquista, Feira de Santana ou até mesmo para a capital para ter atendimento especializado e de qualidade.

Portanto, esse é o momento em que todos devemos estar unidos buscando uma solução para essa situação”, concluiu o deputado.

Assessoria do PTN

quarta-feira, 6 de julho de 2011

As crianças de Itabuna podem ficar sem Hospital

Com mais de quarenta anos servindo a população de Itabuna, como uma organização hospitalar imprescindível para salvar vidas de nossas crianças, o Hospital IPEPI em Itabuna poderá fechar suas portas.

O problema é o mesmo que existe com o setor da saúde em todo o Brasil, ou seja, a falta de recursos financeiros dos governos Federal e Estadual. O hospital infantil que funciona na Avenida Nações Unida tem como fundadores, os médicos pediatra Renato Albano, Fábio Dantas e Alberto dos Reis Lessa.

Os Clubes de Serviços Rotary, Lions e comércio de Itabuna deveriam se organizar para não deixar esse fato acontecer. Apesar de contas as crianças merecem todo o nosso carinho e respeito.

FTC prossegue com matrícula de veteranos

Os estudantes da Faculdade de Tecnologia e Ciências (FTC) de Itabuna têm até o próximo dia 14 de julho para renovar o vínculo com a Instituição de Ensino para dar continuidade à graduação superior nos cursos oferecidos pela Faculdade. O período de renovação de matrículas para os alunos tidos como veteranos foi iniciado no dia 17 de junho, obedecendo a um cronograma pré-estabelecido pela Faculdade, conforme o curso e à situação acadêmica do estudante.

O calendário de matrícula está dividido em três etapas, priorizando atendimento para alunos semestralizados e dessemestralizados aprovados por média sem prova final, bem como os aprovados após prova final, beneficiários do Fies e ProUni e egressos de escola pública.

Para atender a todos com agilidade e comodidade, a FTC montou uma estrutura que inclui, além da Central de Atendimento ao Aluno (CAA), mais 11 salas onde estão disponíveis 18 atendentes, terminais informatizados, coordenações de cursos, setor de convênios e biblioteca para efetivação de matrícula financeira e acadêmica. O atendimento está sendo feito no horário, de segunda a sexta-feira, das 9 às 19 horas, e aos sábados das 9 às 12 horas.

Também visando facilitar a vida do estudante, a FTC disponibiliza atendimento personalizado com hora marcada, através do serviço de Matrícula Agendada que permite ao acadêmico efetivar a renovação de vínculo com a Faculdade sem fila e sem espera. Para utilizar o serviço é necessário acessar o portal institucional www.ftc.br/matrículaveterano e fazer o agendamento. Ainda neste site é possível obter outras informações sobre os procedimentos para matrícula.

Por: Erivaldo Bomfim
Ascom – FTC Itabuna
07-07-2011

Antigas instalações da Kildare podem ser a Feira do São Caetano


O prefeito de Itabuna, Capitão Azevedo esteve visitando em companhia de técnicos das secretarias de Planejamento e Desenvolvimento Urbano, hoje, 5, os galpões da antiga fábrica da Kildare, na avenida Manoel Chaves, com o objetivo de avaliar a viabilidade de transferência da feira do São Caetano para aquele local. 

O projeto a ser discutido democraticamente  com feirantes e consumidores leva em conta a instalação de uma nova feira com praça de alimentação num dos galpões e a de uma central de abastecimento numa outra unidade ao lado. 

A área tem ainda um amplo espaço de estacionamento, acessos viários e o projeto faz parte do programa de revitalização das feiras livres a ser implementado através da Secretaria de Agricultura e Meio Ambiente.

Para o Capitão Azevedo, o espaço da antiga feira do São Caetano estava inteiramente deteriorado e o  projeto em andamento contempla uma realocação das barracas para uma área urbanizada, com mais higiene e conforto. A antiga feira será transformada num shopping popular e a praça Simão Fiterman reurbanizada e  devolvida à população como um espaço de lazer para a comunidade.

Ele salienta que esta é uma ação do poder público visando oferecer aos feirantes e consumidores um ambiente digno, seguro e higienizado, até porque não é recomendável a existência de uma feira nas margens de um canal como o do São Ceatano. 

“O nosso projeto foi tornado possível graças à intervenção do deputado federal Luiz Argolo, que cuidou da reintegração de posse para o município e tem sido um importante aliado de Itabuna”, complementou o prefeito Azevedo.

O líder do governo na Câmara, vereador Milton Gramacho, que acompanhou o prefeito durante a inspeção do local, elogiou a decisão do Capitão Azevedo que implementa mais uma importante ação de governo, até porque a antiga feira do São Caetano tem funcionado de forma precária e inteiramente desordenada.

O vereador observa que o novo espaço vai oferecer mais conforto, segurança e higiene para feirantes e consumidores, incorporando uma área ampla, com estacionamento e toda a infraestrutura desejada para um grande mercado.

O feirante Lázaro Santos, o Lula,  proprietário de uma lanchonete na feira do São Caetano, aprovou a nova área, “que tem um espaço amplo e muito bom, inteiramente fechado e protegido para feirantes  e consumidores itabunenses”.

Por:: Kleber Torres Fotos: Waldyr Gomes.
www.itabuna.ba.gov.br