Vamos salvar o Rio Cachoeira! É o nosso maior patrimônio natural. Não jogue lixo em seu leito.

terça-feira, 20 de setembro de 2011

O VLT, O BRT E A KOMBI

20/set/2011 . 9:59
Autor: Seu Pimenta

Cláudio Rodrigues
aclaudiors@gmail.com

Hoje o deputado (Geraldo Simões) tem uma legião de ex-amigos e ex-aliados, que podem ser transportados tanto no sistema VLT como no BRT. Já os aliados e amigos que restaram, com muito esforço podem lotar uma Kombi.





O modelo de transporte de massa a ser adotado por Salvador para a Copa do Mundo tem sido bastante discutido. Se o VLT – veículo leve sobre trilhos, um modelo que circula em vias exclusivas, usando trilhos e movido a energia elétrica… Ou o BRT, em inglês, bus rapid transit ou, literalmente, ônibus que circula rapidamente.


Pego como gancho desse texto a questão do transporte de massa da capital baiana para falar de um dos itens essenciais para um político: seu grupo. Todo político que se preza tem um grupo que carrega seu nome para os quatro cantos. Um grupo político é composto por homens e mulheres que têm sua classificação: os capas-pretas, a tropa de choque e os paus pra toda obra.



Estamos vendo em Itabuna o grupo do ex-prefeito e deputado federal Geraldo Simões se esfacelar. Nos últimos anos, o prefeito por dois mandatos perdeu apoios e votos dos ceplaqueanos, como José Carlos Veridiano, Jackson Primo, Jane Borges, Francisco Gilton, dentre outros. Também deram adeus a Simões: Lula Viana, Everaldo Anunciação e Eduardo Barcellos – esta uma perda irreparável. A última baixa foi o “xerife” Moacir Lima, que ocupou a Secretaria de Governo no último mandato de GS e foi indicado pelo mesmo para a direção da Biofábrica.



Na eleição de 2010, quando GS impôs o nome de sua esposa Juçara Feitosa como candidata a prefeita e perdeu para o DEM por uma diferença de mais de 12 mil votos, observei que os nomes que o PT apresentou como candidatos a vereador eram em sua maioria meros desconhecidos. O partido terminou elegendo apenas Vane do Renascer, que acaba de se desfiliar para disputar a prefeitura, uma vez que no PT não teria a mínima chance.



Simões surgiu para a política baiana como uma novidade, depois de eleito deputado estadual em 1990. Ganhou a prefeitura de Itabuna em 1992, em 1998 foi eleito deputado federal e em 2000, retornou à prefeitura. O petista chegou a sonhar com voos mais altos, como o Senado Federal e até o Governo do Estado, mas depois da eleição de 2004, quando perdeu para Fernando Gomes, venceu para deputado federal e na reeleição em 2010, viu sua votação despencar em Itabuna.



O político Geraldo Simões nunca foi um estrategista, ele sempre jogou e contou com a sorte, mas nas últimas eleições a sorte e os amigos o abandonaram. Os motivos são vários, como não honrar compromissos assumidos, não valorizar as pessoas que sempre brigaram pelo seu nome, a arrogância e prepotência. Geraldo Simões perdeu apoios de peso, como João Xavier, Renato Costa, Ubaldo Dantas, Davidson Magalhães e Luís Sena. Hoje o deputado tem uma legião de ex-amigos e ex-aliados, que podem ser transportados tanto no sistema VLT como no BRT. Já os aliados e amigos que restaram com muito esforço podem lotar uma Kombi.


Cláudio Rodrigues é empresário.


Comentário do expressaounica::
É por isso que o jornalista, Waldeny Andrade já disse no Diário de Itabuina; "Politica é coisa do Diabo" 

Nenhum comentário: