Lixo

Itabunense seja educado não jogue lixo na rua e nem no Rio Cachoeira. A Natureza agradece!

sábado, 27 de novembro de 2010

A TURMA DA DILLMA


Hoje os sites de notícia informam que Marco Aurelio Garcia, aquele do “top-top”, que tem os dentes todos podres, que é o “coordenador especial” de Lulla para tratar com ditadores, narcotraficantes e quejandos, foi confirmado como “assessor especial” da terrorista eleita presidente.

Como o governo della é o prosseguimento do governo delle, tudo bem.

Tudo bem uma ova!

O governo Lulla mais parece um grupo mafioso que um ministério que governa um país. Basta ver que quarenta ex-integrantes do governo estão denunciados como participantes de uma quadrilha, cujo chefe, segundo o STF, é José Dirceu. Isso sem contar com Erenice e outros menos votados. A verdade é que o chefe é Lulla, mas a oposição chinfrim deixou que ele escapasse impunemente.

Pois bem, se alguém imaginava que a qualidade da turma iria melhorar, caiu do cavalo.
Até agora, os nomes confirmados que farão parte do prosseguimento do governo Lulla, agora conhecidos como a turma da terrorista Dillma Roussef, são simplesmente desalentadores.

Lulla quer manter o incompetente Ministro da (des)Educação, aquele que acabou com o ENEM e avacalhou com o ensino público, e já conseguiu manter o intragável Marco Aurélio.

Como miséria pouca é bobagem, confirmados estão, na turma da Dillma, Antonio Palocci, comprovadamente ímprobo e Miriam Belchior, que foi denunciada ao Ministério Público pelo irmão do ex-prefeito assassinado João Francisco Daniel, que disse ter ouvido dela e de Gilberto Carvalho, ex-secretário municipal e atual chefe de gabinete da Presidência, a ocorrência de um desvio de R$ 1,2 milhão da prefeitura em benefício do PT.
A coisa começou tão mal, que teve gente caindo antes mesmo do governo dillmista começar.

A  advogada Christiane Araújo de Oliveira, foi nomeada para um cargo especial na equipe de transição, e um dia depois se viu constrangida a ter que pedir demissão, pois está respondendo processo como envolvida na máfia das sangue sugas.
A outra é Maria das Graças Foster, ( conhecida como Maria Caveirão) amiga pessoal de Dillma, que por indicação desta, ganhou a partir de 2003, posições de destaque no Ministério de Minas e Energia, Petroquisa e BR Distribuidora e, há três anos, assumiu a diretoria de Gás e Energia da Petrobras. Ela estava cotada  para um cargo no primeiro escalão do governo dillmista, todavia, apareceu  numa reportagem, onde se mostra que  a empresa do  marido dela, Colin Vaugh Foster, multiplicou os contratos com a Petrobras depois que ela passou a ser diretora da estatal. Agora está de molho.

Pobre Brasil !

NINGUÉM PODE ENGANAR TODO MUNDO O TEMPO TODO


No Jornal Nacional de hoje, da TV Globo, a repórter transmitia a informação de que o Complexo do Alemão seria tomado – ou será – ainda hoje.
E mostrou uma reportagem da tomada da Vila Cruzeiro pelo Bope. Marginais fugindo desesperados para...o complexo do Alemão.
E quando da invasão, eles fugirão para onde?
A verdade é que a retomada do território dominado pelas quadrilhas, deveria ser a tônica da segurança pública. Mas o que fizeram foi um acordo com os chefões do tráfico, quando inventaram as tais Polícias Pacificadoras.
Nestas tomadas de território pela tais UPP’s (Unidades de Polícia Pacificadoras) tudo não passou de marketing político, usado à exaustão pelo governador do Rio de Janeiro e pela terrorista Dillma Rousseff e seu mentor Lulla.
Para comprovar que as ações das UPP’s, não passaram de factóide, o blog Gente Decente publicou hoje uma foto do Bope, quando ocupou  a Vila Cruzeiro em 2008. Invadiu o local, tomou posse, mas parece que cansou e saiu. Vejam a foto do fato:

OCUPAÇÃO DA VILA CRUZEIRO PELO BOPE - 15 DE ABRIL DE 2008


PODEROSO É DEUS

OS céus declaram a glória de Deus e o firmamento anuncia a obra das suas mãos.

Um dia faz declaração a outro dia, e uma noite mostra sabedoria a outra noite.

Não há linguagem nem fala onde não se ouça a sua voz.

A sua linha se estende por toda a terra, e as suas palavras até ao fim do mundo.

Neles pôs uma tenda para o sol,
O qual é como um noivo que sai do seu tálamo, e se alegra como um herói, a correr o seu caminho.

A sua saída é desde uma extremidade dos céus, e o seu curso até à outra extremidade, e nada se esconde ao seu calor.

A lei do SENHOR é perfeita, e refrigera a alma; o testemunho do SENHOR é fiel, e dá sabedoria aos símplices.

Os preceitos do SENHOR são retos e alegram o coração; o mandamento do SENHOR é puro, e ilumina os olhos.

O temor do SENHOR é limpo, e permanece eternamente; os juízos do SENHOR são verdadeiros e justos juntamente.

Mais desejáveis são do que o ouro, sim, do que muito ouro fino; e mais doces do que o mel e o licor dos favos.

Sejam agradáveis as palavras da minha boca e a meditação do meu coração perante a tua face, SENHOR, Rocha minha e Redentor meu!

sALMO 19

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

IBGE DESMENTE LULLA E DILLMA



O número de domicílios brasileiros que se encontrava em "algum grau de insegurança alimentar" caiu de 34,9% em 2004 para 30,2% em 2009, segundo revela pesquisa divulgada hoje pelo IBGE.

Segundo o levantamento, no ano passado, 65,6 milhões de pessoas residentes em 17,7 milhões de domicílios "apresentavam alguma restrição alimentar ou, pelo menos, alguma preocupação com a possibilidade de ocorrer restrição devido à falta de recursos para adquirir alimentos".

O levantamento suplementar da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) 2009 sobre segurança alimentar revela também que 69,8% dos 58,6 milhões domicílios particulares no Brasil estavam em situação de segurança alimentar no ano passado, totalizando 40,9 milhões de residências com 126,2 milhões de pessoas, o equivalente a 65,8% dos moradores em domicílios particulares do país.

A pesquisa constatou, segundo o documento de divulgação do IBGE, que a insegurança de alimentos era mais significativa nas regiões Norte (40,3% dos domicílios) e Nordeste (46,1%). Além disso, a insegurança alimentar era, em todo o País, maior em domicílios com rendimento mensal domiciliar per capita inferior a meio salário mínimo por pessoa, naqueles onde residiam menores de 18 anos, entre os pretos e pardos e para aqueles com menos de um ano de estudo.

Em 2004, as proporções de domicílios onde havia insegurança alimentar leve, moderada e grave eram, respectivamente, 18,0%, 9,9% e 7,0%. "Isso mostra um crescimento do porcentual de insegurança leve e redução dos percentuais dos graus moderado e grave", observam os técnicos no documento.


*NOSSO COMENTÁRIO:
Durante a campanha eleitoral, Lulla e a terrorista Dillma, afirmaram que tiraram 24 milhões de pessoas da pobreza. Mas, segundo um órgão oficial do governo brasileiro, de 2004 para cá, HOUVE CRESCIMENTO DA MISÉRIA. 
Hoje, o IBGE desmente aquilo que todos nós já sabíamos, menos aqueles desinformados que acreditaram no maior mentiroso que o Brasil já conheceu: Lulla.

O EXÉRCITO FANTASMA DO PLANALTO

 Por Augusto Nunes


Ao longo da campanha eleitoral, Dilma Rousseff recitou a cada comício, debate ou entrevista que faltava pouco para que o sistema de segurança pública, a exemplo do que ocorreu na área da saúde, chegasse à perfeição. Graças ao padrinho, garantiu a afilhada, nem teria muita coisa a fazer depois de eleita.

Nos últimos oito anos, a violência dos tempos de FHC foi progressivamente substituída pela paz da Era Lula. Ponto para o estadista que encarou a herança maldita.

No meio da discurseira, aparecia inevitavelmente o exemplo do Rio. Com a disseminação das Unidades de Polícia Pacificadora, as miraculosas UPPs, o companheiro Sérgio Cabral concluíra a façanha histórica iniciada pelo PAC e consolidada pela popularidade de Lula.

Nem o mais insensato comandante do narcotráfico ousaria enfrentar os 80% do maior dos governantes desde Tomé de Souza.

Dado o aviso, Dilma sacava do coldre imaginário o trabuco com a bala de prata: se alguma facção do crime organizado tentasse conflagrar os morros cariocas, o Mestre não hesitaria em mobilizar a temível Força Nacional de Segurança Pública.

Por que o exército medonho até hoje não foi visto em ação? “Porque o governo de São Paulo não quis”, repete Lula desde 2006, quando a capital do Estado administrado pelo PSDB foi convulsionada por sangrentos ataques simultâneos do PCC.

Em campanha pela reeleição, Lula e Tarso Genro, ministro da Justiça e marechal da Força Nacional, baixaram em São Paulo para informar que poderiam sufocar a rebelião em quatro ou cinco horas. Bastava uma solicitação formal do governador.

Pena que os tucanos paulistas tenham teimado em ignorar o bom exemplo dos companheiros cariocas, suspirava Lula antes que a violência no Rio recrudescesse com dimensões apavorantes. O segredo é a aliança entre os governos federal e estadual.

Até o começo da semana, o presidente e a sucessora sustentaram que o entendimento fraternal com o governador Cabral (sem contar a guarda pessoal do prefeito Eduardo Paes) era mais que suficiente para matar no nascedouro qualquer atrevimento esboçado pelos bandidos do narcotráfico.

Nesta quinta-feira, dois telefonemas reduziram a farrapos outra fantasia do Brasil do faz-de-conta.
Depois de alguns dias de silêncio, Lula e Dilma ligaram para conversar com Sérgio Cabral sobre o drama que apavora o Rio e assombra o país. Nem o atual nem a futura presidente ofereceram a ajuda da Força Nacional. Ofereceram votos de solidariedade.

O país inteiro descobriu que o exército fantasma do Planalto só entra em combate na guerra eleitoral.
Uma última interrogação intriga milhões de habitantes da zona conflagrada. O presidente autopromovido a Pacificador do Universo já se ofereceu para resolver a crise do Oriente Médio e para reaproximar o Irâ atômico do resto do mundo. O que é que há com Lula que não se oferece para acabar com a batalha do Rio?

TRISTE BAHIA


Waldir Pires , o tristemente famoso “Waldir Moleza”, governou a Bahia por dois anos. Foram dois anos de atraso. Ele era considerado, até a eleição de Wagner,  o pior governador que o Estado já teve.

Agora, a taça vai para Jacques Wagner.também conhecido como Wagner “Wagareza”, apesar de o epíteto melhor ser o de “destruidor”.

Em quatro anos Wagner conseguiu destruir a saúde e a segurança pública da Bahia;  atrapalhou o crescimento econômico do Estado, que caiu do 6º, para o 7º lugar no ranking nacional, isto sem falar no setor educacional, que vai de mal a pior.

E como miséria pouca é bobagem, a Bahia acaba de perder  para Pernambuco a construção das plataformas da Petrobras que trabalharão na exploração do petróleo do pré-sal.

O prejuízo para a Bahia será de alguns bilhões e de pelo menos 20 mil empregos diretos e indiretos. Os diretos, em boa parte, qualificados. Tal empreendimento mudaria a economia de toda a região em torno de São Roque do Paraguaçu. 

O governador Eduardo Campos, de Pernambuco, puxou para seu estado - que já tem um estaleiro e 28 sondas da Petrobras - a corrida licitatória  para construir as plataformas que Wagner “Wagareza” sonhava para Bahia. 

E olha que o Presidente da Petrobrás é o cara que quer ser o próximo governador da Bahia, apoiado por Wagner, Lulla e Dillma.

E é bem capaz de ganhar, como Wagner ganhou a última eleição, apresentando apenas uma Bahia fictícia na televisão. Afinal, 60 por cento dos eleitores baianos, continuam achando que Wagner “é o cara”.

Emasa amplia captação de água tratada

Estação de tratamento do São Lourenço já ampliada
A instalação de cinco bombas – duas na captação do rio Cachoeira em  Nova Ferradas e outras três unidades de 300 cavalos, que vão jogar 350 litros de água bruta por segundo para a Estação de Tratamento do São Lourenço -, vão permitir ampliar o abastecimento de 600 para 900 litros por segundo, relata o diretor técnico da Empresa Municipal de Água e Saneamento (Emasa), Marcus Habib.

Ele explica que o conjunto de bombas teve um custo de R$ 1,2 milhão, mas o valor total investido nas obras foi o de R$ 35 milhões, dos quais 10% através de recursos do município, com a implantação de 13 quilômetros de adutora entre Ferradas e Itabuna, com uma rede de 600 milímetros em ferro fundido e na ampliação da ETA do São Lourenço.

Habib ainda informa que a ativação das bombas depende agora da Coelba, com a checagem da rede de alta tensão, o que deverá ocorrer ainda nos próximos dias, o que vai permitir ativar o sistema e ampliar em 50% a vazão para atender à demanda da população, que passará de 600 para 900 litros por segundo.

O diretor técnico da Emasa acredita que o novo sistema vai permitir atender à demanda do crescimento de Itabuna, uma cidade polo da região, aumentando a regularidade e a freqüência na oferta de água nos diversos bairros da cidade.

Um outro aspecto destacado pelo Diretor, é que com os equipamentos serão reduzidas, significativamente, as 157 manobras diárias e a operação de 370 registros, um trabalho que mobiliza uma equipe de sete profissinais. As mudanças serão implementadas após uma série de estudos e testes de pressão realizados nos próximos três meses.

A ampliação da captação vai facilitar, segundo Habib, a implantação de novas indústrias e gerar mais empregos, o que é uma prioridade social para o prefeito Capitão Azevedo: “Vale ressaltar que com esse projeto Itabuna será uma das primeiras cidades do interior baiano a contar com uma unidade de tratamento de resíduos (UTR), com a retirada de materiais orgânicos na água”.

Como engenheiro, ele considera este conjunto como uma mega obra do governo municipal e uma das mais importantes realizações da atual gestão, porque para cada real investido em saneamento, são economizados outros quatro na saúde: “o que seria completado com o projeto de implantação de saneamento e estações de tratamento”, argumentou.

Para o diretor técnico da Emasa, hoje Itabuna tem 98% da malha urbana atendida com rede água e agora e, com a conclusão desta fase, as atenções estarão voltadas para a questão do esgotamento sanitário.

Por> Kleber Torres Fotos: 26-11-2010

Prefeito de Ilhéus quer revisão na contagem populacional do censo no município

O prefeito de Ilhéus, Newton Lima, protocolou junto à unidade da Bahia do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o ofício/Gab 144/10, destinado a Arthur Ferreira da Silva Filho, para que seja procedida revisão na contagem populacional em todo o território municipal, uma vez que as informações até agora obtidas sobre os resultados do censo 2010 e também publicadas no Diário Oficial da União, no dia 4 deste mês, apontam uma população encontrada de 176.917 pessoas.

 Esses números contradizem os encontrados no censo 2000, que garantiam uma população acima de 222.127 moradores, constituindo-se numa queda muito brusca no nível populacional.


Além de não concordar com esses números atuais, o prefeito afirma que Ilhéus não reconhece os novos limites estabelecidos pela Superintendência de Estudos Econômicos Sociais da Bahia, que prevê a perda de importantes áreas para demais municípios circunvizinhos, o que inclusive, terminou influenciando no trabalho do censo realizado pelo IBGE. Para tanto, também protocolou junto àquele órgão requerimento sob o número 140110000554712, solicitando revisão do perímetro territorial do município.


Ainda no ofício protocolado no IBGE, Newton Lima requer que o município seja informado qual número de habitantes foi encontrado nos limites municipais utilizados no censo 2000, antes da nova delimitação da superintendência, que foi suprimido do território ilheense; e, que seja informado o número de habitantes encontrados nos distritos Sede, Aritaguá, Banco Central, Castelo Novo, Couto, Inema, Japu, Olivença, Pimenteira e Rio do Braço, “com o objetivo de podermos comparar com os dados do Censo 2000, para identificarmos onde ocorreu o decréscimo populacional”.


Resultado – Na manhã de quinta-feira (25), no salão nobre do Palácio Paranaguá, os coordenadores do Censo 2010, em Ilhéus, realizaram a 5ª Reunião da Comissão Municipal de Geografia e Estatística - CMGE, onde apresentaram os números finais computados no trabalho de campo. Além da quantidade de habitantes (que passou para 180.589), foram detectados 71.217 domicílios (em 2000 foram encontrados 68.199), sendo que desse total, 54.948 se encontravam ocupados; 138 domicílios improvisados, ou seja, bar, barbearia, etc, que também serve de moradia; 7.939 vagos; 1.067 fechados (sem morador ou que não quis participar do Censo); 7.125 de uso ocasional, a exemplo de casa de veraneio, e por fim, 94 domicílios coletivos, como pensões.


Na oportunidade, o chefe de Gabinete do prefeito, José Nazal Pacheco, designado por Newton Lima para acompanhar a tramitação do censo em Ilhéus, relatou a preocupação do município com a queda verificada no número de habitantes e com a perda de áreas limítrofes com outros municípios, afirmando que o executivo já tomou a decisão de defender o seu território em todas as estâncias possíveis, “pois não queremos nenhum centímetro do solo de outros municípios, mas temos que defender com todas as forças o que sempre nos pertenceu”.


No final da reunião, Sandoval Manciola e Mara Leite Sacramento, coordenadores de subárea e coordenadora técnica do IBGE, respectivamente, foram parabenizados pelos presentes que, ressaltaram o excelente nível técnico no trabalho do censo e também pela transparência das ações, uma vez que sempre se predispuseram a dirimir as dúvidas surgidas durante o levantamento de dados no município. “Mesmo lamentando as perdas, sou testemunha da lisura do censo realizado em Ilhéus”, garantiu José Nazal.

Ascom/Ilhéus
Por: Walmir Rosário