Vamos salvar o Rio Cachoeira! É o nosso maior patrimônio natural. Não jogue lixo em seu leito.

quarta-feira, 11 de junho de 2008

Elisiário, um Nome de Itabuna


Dando continuidade a um trabalho de resgate de nossa memória, hoje vamos narrar parte da história de Elisiário Vieira dos Santos. Natural de “Tabaina Grande” - Sergipe, chegou em Itabuna, em 28 de abril de 1938, com apenas 13 anos de idade. Lembra, ele, que saiu de sua cidade em um “Trem de Ferro” e “Marinete” para chegar até Salvador. Da capital baiana, com destino a Ilhéus embarcou em um navio De Ilhéus, para Itabuna fez a viagem na tradicional “Maria Fumaça”; “Um fato que nunca esqueço!”, diz.
Na região cacaueira, fixou residência no “distrito de Itauna”, que pertencia ao município de Itabuna, hoje Itapé. Naquela localidade iniciou sua vida profissional como lavrador, na localidade conhecida como “Ribeira de Vara”, onde fez grandes amizades, inclusive com o agricultor Edson Rebouças (Edinho), que tinha fazenda na Estiva.
Casou-se com D. Maria Silvia, em 1955, enlace matrimonial, que geraram cinco filhos; Maria Isabel, Maria Ilma, Elisiário Junior, Maria Izaildes e Maria Alessandra; “Todos vivos e profissionais em suas funções!” diz, com orgulho, o desbravador, Elisiário Vieira que no último mês de dezembro, completou 50 anos de casado, e, juntamente com sua companheira, foi saudado por todos seus filhos, parentes e amigos.
Elisiário Vieira ingressou na vida pública em 1961, a convite de José Conrado, então administrador distrital, de Itauna (Itapé), nas funções de: operador de energia elétrica e fiscal da rede. Na época, o prefeito de Itabuna era José de Almeida Alcântara; “que estava fazendo um grande governo de ampliação do município!”, lembra Elisiário.
Mais tarde, também, a convite de José Conrado, Elisiário, transferiu-se para Itabuna, quando o município já era administrado pelo prefeito Felix Mendonça, ‘hoje deputado federal’. Em Itabuna, Elisiário Vieira continuou sua carreira pública assumindo um posto na Guarda Municipal. Em seguida, no governo de Oduque Teixeira, Fernando Gomes e Ubaldo Dantas, como fiscal de obras do município. No terceiro governo do atual prefeito Fernando Gomes, assumiu a função de vigia na ADEI (Estádio Luis Viana Filho-(Itabunão), mais tarde, sendo nomeado administrador desse estádio. Nessa época, foi indicado, para prestar serviços à Secretário de Cultura do Município atendendo convite do novo Secretário, e seu amigo, o Sociólogo, Selem Rachid Asmar).
Como você vê Elisiário Vieira, que se aposentou nessa época, através da Secretaria de Cultura, sergipano/itabunense, a exemplo de muitos outras, que descobriram e desbravaram esse chão do cacau, tem uma história digna, por isso merece ser escolhido Gente de Itabuna.

Zilton, o vendedor de livros!



Percorrendo toda a região cacaueira do sul da Bahia, como vendedor de livros, há cerca de 33 anos, Zilton Gonçalves de Oliveira, é uma dessas pessoas que conseguem aliar o impossível ao possível, cativando a todos aqueles que circulam ao seu redor. Possuidor de carisma todo especial, aliado a sua paciência, motivos pelos quais o levaram a ser um grande vendedor, se tornou um condutor da cultura brasileira, vendendo seus livros e coleções; do romance ao jurídico, de onde tira sua renda para sustentar a sua família, apesar das inúmeras dificuldades encontradas para a sua sobrevivência. Enfim, Zilton Gonçalves, que presta serviços para seis editoras do País, é mais uma das muitas autoridades informais da terra grapiúna. Natural do distrito, de Icaraí, na época em que nasceu (11.07.1943), pertencente ao município de Vitória da Conquista, hoje ao município de Catiba, Zilton, com seus 106 quilos e com muita saúde, não mede distancia para exercer sua difícil profissão, com muita dignidade e respeito, atendendo ao rico e ao pobre com a mesma distinção. Com muito orgulho o conhecemos, através do nosso amigo Adilson Silva, residindo hoje na capital do estado. Zilton que teve passagem pelo Rio de Janeiro, onde fez teatro, e em Itapetinga, participou da novela radiofônica “Minha Vida Por Teu Amor”, fazendo o papel do Coronel Severo Cunha, em 1968, transmitida pela Rádio Jornal de Itapetinga, no programa “Romance Dentro da Noite” do autor da novela, Nivaldo Viana, época em que o radialista Nilson Rocha, se encontrava no auge de sua profissão. Na cidade de Itapetinga Zilton Gonçalves também iniciou sua carreira de vendedor autônomo, chegando em Itabuna, para não sair mais em 1975. Aqui constitui família e é casado, há 30 anos, com Dona Juceline Costa Reis de Oliveira, de onde tiveram dos filhos: Thiago e Matheus Reis Oliveira, diz com muito orgulho, o “guerreiro” Zilton, ressaltando que, o fato mais importante em sua trajetória de vendedor, foi quando uma semana antes de se casar com dona Jucilene, conseguiu vender 18 coleções de livros de contabilidade. Zilton também é poeta, e em Itabuna, por ser uma pessoa bem conceituada e relacionada, foi um dos fundadores do PSDB, e candidato a vereador por duas vezes, sem se eleger. Atualmente filiado ao PPS, tendo passagem também pelo PSB, não foge da luta política. No social, foi diretor do Itabuna Esporte Clube, por 05 anos nas gestões de João Xavier. Um detalhe, Zilton, apesar de já se considerar um cidadão itabunense,pelo seu amor a terra, é um desses cidadãos a esmo que já merece ter seu nome oficializado pelo Legislativo, como “Cidadão Itabunense”. Fica ai a dica, para quem interessar possa...